Pesquisar este blog

10.28.2011

Pratos Libaneses

Grão-De-Bico Com Tahine
Hommos Bithiné




Ingredientes

1/2 kg de grão-de-bico

2 litros de água

4 colheres de sopa de gergelim (tahine*)

Suco de 5 limões

6 dentes de alho amassados no sal

Modo de fazer

Na véspera, colocar os grãos-de-bico de molho na água com uma pequena colher de bicarbonato ou sal. No dia seguinte, cozinhá-los. Depois, tirar a água e colocá-los no liquidificador para moer. Guarda-se 1/2 copo desses grãos-de-bico inteiros, descascados, para enfeitar a travessa depois. Misturar a massa de grão-de-bico com tahine, mexer bem e colocar o alho, o sal, o suco de limão, e mexer. Para enfeitar, colocar os grãos-de-bico inteiros e salpicar de salsinha picadinha.



Coalhada Dura
Labné




Ingredientes

Preparar uma receita de Laban (Coalhada líquida). Quando a coalhada estiver pronta, e já tiver passado pelo menos 2 horas na geladeira, misturá-la com 1 colher de café de sal e jogá-la em um saco de pano para escorrer durante 10 a 15 horas. Após esse tempo, tirar do saco e colocar na geladeira. Obs.: Na hora de servir, colocar azeite e, se quiser, um pouco de zaatar.




Tabule
Tabboulé




Ingredientes

1 copo de trigo

3 cebolas grandes bem picadas

1 copo de azeite

Suco de 4 limões

Sal

Pimenta-do-reino

Summac*

6 maços de salsa picadinha

1 maço de hortelã picadinha

1 kg de tomate vermelho picadinho

Modo de fazer

Lavar bem o trigo e misturá-lo com a cebola, o tomate, a salsa, a hortelã, o azeite, o suco de limão, o sal, os temperos e o summac. Deixar então na geladeira, até a hora de servir. Acompanham folhas de alface ou folhas de uva fresquinhas.



Kafta Grelhada
Kafta Michwié




Ingredientes

Preparar uma receita de Kafta crua.

Modo de fazer

Enfiar a kafta em espetos finos. Para conseguir prendê-la, colocar um pouco de farinha de trigo na kafta. Pode-se também, fazer rodelas de 5 a 7 cm de diâmetro, colocar numa assadeira untada com óleo e grelhar no forno. Enfeitar com rodelas de tomate e limão.

Para 6 a 8 pessoas.




10.27.2011

Crostata di Marmellata - Tarte de compota

Crostata di Marmellata
Tarte de compota




A crostata italiana com recheio de compota é particularmente adequada para o lanche (como os italianos fazem) ou para o pequeno-almoço. Os pêssegos poderão ser substituídos por outro fruto da época, como cerejas, damascos, morangos ou framboesas.




2 xicaras (250 g) de farinha

2 gemas

125 g de manteiga

1/2 xicaras (125 g) de açúcar refinado

1 pitada de sal

750 g de pêssegos descascados, sem caroços, às fatias

3/4 de xicara (185 g) de açúcar




Misture a farinha, as gemas, a manteiga, 1/2 xicara de açúcar e o sal e faça uma massa macia. Transforme-a numa bola. Achate-a, envolva-a em plástico e leve-a a geladeira durante 30 minutos.

Aqueça previamente o forno a 180ºC. Estenda 2/3 da massa sobre uma superfície polvilhada com farinha; forre com essa massa uma forma de tarte de 23 cm. Cubra a massa com papel vegetal e coloque por cima feijões secos ou pesos.




Leve ao forno a base da tarte durante 20 minutos. Retire os feijões e o papel vegetal. Estenda a massa restante e corte-a em tiras; ponha-a de parte.




Misture os pêssegos e o açúcar numa caçarola grande e leve a ferver em fogo brando até a fruta ficar macia, durante cerca de 10 minutos. Passe os pêssegos pelo passe-vite, ou reduza-os a purê. Depois coloque de novo a mistura na panela e deixe ferver em fogo brando durante mais 10 minutos, ou até engrossar. Encha a tarte cozida com a compota e cubra com as tiras de massa em treliça. Leve ao forno até a massa ficar dourada, durante cerca de 20 minutos. Sirva frio.

Fricò - Panqueca de queijo

Fricò
Panqueca de queijo




A fricò é uma panqueca de queijo muito saborosa. O queijo das montanhas da região é magro e bastante seco; podem ser usados o fontina ou o gruyère suíço, em seu lugar.

625 g de queijo fontina ou gruyère

3 colheres de sopa (60 g) de manteiga

1 cebola média finamente picada

2 ovos bem batidos

Sal e pimenta acabada de moer




Tire a casca ao queijo e corte-o em fatias finas. Derreta a manteiga numa frigideira de 25 cm, de ferro fundido, em fogo brando. Junte-lhe a cebola e salteie-a até ficar muito macia e translúcida. Adicione o queijo e os ovos batidos. 



Continue a cozer em fogo muito brando até o queijo formar uma crosta no fundo, durante cerca de 20 minutos. Com a ajuda de uma tampa, volte a panqueca e frite-a do outro lado. Escorra sobre papel de cozinha durante 1 minuto. Transfira para um prato e sirva.


Granita di Caffè

Granita di Caffè



Não existe um café na Campânia que não venda granita di café nos meses de Verão - por vezes com um pouco de natas batidas por cima. Nos bares mais elegantes, o café é por vezes aromatizado com um pouco de cacau.




125 g de açúcar refinado

2 colheres de sopa de água

6 chicaras (1,5 l) de café expresso muito forte

2 colheres de chá de cacau em pó não adoçado




Misture o açúcar e a água numa panela e aqueça até o açúcar estar dissolvido. Depois deixe ferver o xarope durante alguns minutos.




Junte o café ao xarope, adicione o cacau, deixe dissolver e retire do fogo. Deixe esfriar por completo. Coloque a mistura num recipiente e congele até solidificar. Depois transfira para um liquidificador e bata  durante alguns segundos até ficar mole. Sirva com uma colher em 6 copos e sirva imediatamente.

Melocotones al Vino Tinto - Pêssegos ao vinho tinto

Melocotones al Vino Tinto
Pêssegos ao vinho tinto




Você encontrará esta sobremesa por toda a província de Aragão. Ela costuma ser feita com a fruta natural, na estação, e conservada, junto com a calda em que é preparada, em vidros hermeticamente fechados. Esta receita também pode ser feita com outras frutas, por exemplo, pêras.





6 pêssegos maduros mas firmes, sem casca

Suco de limão

2 xícaras de chá de vinho tinto seco

1 xícara de chá de água

2 pauzinhos de canela, quebrados em três, e mais um ou dois, para enfeitar

1/2 xícara de chá de açúcar

6 fatias de limão




Esfregue os pêssegos por inteiro com o suco de limão. Numa panela grande, coloque o vinho, água, canela, açúcar e 3 fatias de limão. Deixe ferver e cozinhe por 15 min em fogo baixo. Acrescente os pêssegos e cozinhe em fogo baixo por 20 min, virando-os de vez em quando para colori-los uniformemente com a calda de vinho. Deixe os pêssegos se impregnarem com a calda por várias horas ou mesmo durante toda a noite, à temperatura ambiente.




Retire as frutas da calda e reserve. Ferva a calda em fogo alto até reduzi-Ia a 1 xícara de chá. Deixe esfriar completamente.
Sirva os pêssegos inteiros ou cortados em gomos. Despeje sobre eles a calda e enfeite cada porção com um pedacinho de pau de canela e metade de uma fatia de limão.

(6 porções)

Tempura

Tempura




Ingredientes

1 ovo

1 xícara de chá água gelada ( com gás é melhor ainda )

2 colheres de sopa vinho branco

2 xícaras de chá farinha

1 L óleo




454 g camarão grande limpo

1 cebola espanhola grande em rodelas

2 cenouras grandes, sem casca e em rodelas

1 abobrinha em rodelas

1 xícara de chá flores de brócolis




Molho

1 colher de sopa dashino-moto*

1 xícara de chá água

1 colher de sopa açúcar mascavo




2 colheres de sopa sake (vinho de arroz)

1/4 xícara de chá molho de soja

1 colher de sopa gengibre fresco, ralado




Preparação

Bata o ovo. Junte a água. Misture com o vinho e junte 1 xícara de chá de farinha. Deixe a massa leve mas não a bata demais.

Aqueça o óleo a 180º C.

Passe o camarão e os vegetais na farinha restante; mergulhe na massa e frite no óleo até que esteja ligeiramente dourado.


Molho

Ferva o dashino-moto na água por 3 minutos. Junte os mão ingredientes restantes. Retire do fogo e sirva acompanhando o camarão e vegetais fritos.

4 porções
Fatos pitorescos




Dashino-moto

Dashino-moto é uma base japonesa para sopa e normalmente é para a base da sopa do peixe bonito, que pertence à família do atum e é muito pescado no oceano Atlântico. Dashino-moto normalmente contém MSG e sal assim como outros aromatizantes. Use em sopas e molhos.
*Dashino-moto está disponível em lojas de comida oriental.

TOURNEDO ROSSINI

TOURNEDO ROSSINI




O grande compositor erudito italiano Gioacchino Rossini que tem em seu curriculum nada menos do que obras  conhecidas como  – “O Barbeiro de Sevilha”, “A Cinderela” e “Guilherme Tell”), era também conhecido como um grande gourmet e um grande apreciador de pratos requintados, e foi ele quem criou o sofisticado prato “Tournedos Rossini”, que até hoje consta no cardápio da Cozinha Internacional e voce pode encontra-lo nos melhores restaurantes do mundo. Servido originalmente no Café Anglais, localizado no Boulevard des Italiens, em Paris, o prato é composto por um medalhão de filé coberto por uma camada de foie gras etrufas laminadas hoje já sendo feito com algumas variações, mas nunca fugindo muito do seu tradicional, então segue para os apreciadores de carne a receita abaixo.




Ingredientes:

4 tournedos de filé de 120g cada um
4 fatias de pão de forma 
150g de manteiga
4 fatias de figado de ganso
2 colheres de sopa de azeite extra virgem
12 fatias de trufas pretas  ( ou shitake )
sal
pimenta do reino




Para o Molho

3 colheres de sopa de vinho Madeira ( ou Porto seco )
1 colher de sopa rasa de amido de milho
200ml de caldo de galinha
sal




Modo de Preparo:

Corte as fatias de pão com um cortador de massas redondo 1cm maior que a circuferencia dos filés. Doure-as em 50g de manteiga de ambos os lados e reserve.
Numa frigideira antiaderente, salteie o figado de ganso em 50g de manteiga, dourando os dois lados, e reserve em local aquecido. Na mesma frigideira, acrescente 2 colheres de sopa de azeite e a manteiga restante, cozinhando os filés em fogo alto, 2 minutos de cada lado, de modo que fiquem malpassados. 



Tempere com sal e pimenta e coloque cada um sobre uma fatia de pão tostado. Salteie os cogumelos ( shitake) no suco do cozimento da carne. Coloque sobre os filés, 1 fatia de figado de ganso e os cogumelos.
Sempre na mesma frigideira, deglace o fundo com 2 colheres de sopa de vinho, acrescente o caldo de galinha e deixe ferver. Engrosse o molho com o amido de milho dissolvido no vinho restante e tempere com uma pitada de sal. Misture bem, passe o molho no coador de despeje-o sobre a carne.


Dica de Vinho:

Acompanhe este prato com um tinto bem encorpado e envelhecido, de uva nebbiolo ou carbenet sauvignon.



10.25.2011

ESPECIAL ESPANHA

SABORES DA ESPANHA




Situada na encruzilhada da Europa e da África, e também das Américas e, do Oriente, a Espanha registrou a passagem ou a invasão de numerosos povos que contribuíram para a sua culinária. Graças ao que emprestou dos fenícios ou romanos (processos de vinificação), dos cartagineses (grão-de-bico), dos chineses por intermédio dos árabes (arroz), ou ao que importou do Peru e do México (tomate e chocolate), a Espanha hoje em dia se beneficia de uma culinária diversificada, rica e em ebulição.

AS TRADIÇÕES




Boa parte dos produtos consumidos hoje no país provém desses movimentos de migração ou invasão. O arroz constitui o alimento e o carboidrato de base, um pouco como o pão na França. Trazido no século VIII pelos árabes aos espanhóis, que por sua vez o levaram à América do Sul oitocentos anos mais tarde, o arroz pode ser preparado de mil maneiras. O chocolate vem dos astecas, apreciadores do fruto do cacaueiro, ao qual atribuíam numerosas virtudes, consumindo-o na forma de um mingau à base de farinha de milho acrescentado de pimenta. Ao levá-Io para a Europa, os espanhóis progressivamente substituíram o milho e a pimenta por mel, açúcar e aromas tais como a canela ou a baunilha. Quanto ao tomate, os conquistadores o descobriram no Peru e México, e o disseminaram no século XVI, pela Itália e depois por toda a Europa.




Na Catalunha, onde se casam os produtos do mar e da terra (o frango com lagosta é a receita mais famosa da Costa Brava), encontram-se excelentes pratos de aves e uma grande tradição de embutidos. Na costa mediterrânea, contam-se mais de trezentas maneiras de cozinhar o arroz, a mais conhecida sendo certamente a paella, especialidade de Valência. Na Andaluzia reinam as sopas frias, como o gaspacho, e as frituras de peixes. A Estremadura se caracteriza pelos seus guisados de cordeiro e de cabrito (caldereta), e as duas Castelas, por seus cozidos, porcos e leitões assados.

No País Basco e em Navarra, os legumes e as carnes vermelhas constituem a base das refeições tradicionais, que podem ser degustadas em numerosas casas de grelhados (asadores), espécie de churrascarias.

Enfim, na região cantábrica, nas Astúrias e na Galícia abundam os peixes e os frutos de mar preparados na grelha ou simplesmente cozidos na água do mar.

OS PRINCIPAIS PRODUTOS ESPANHOIS

PAELLA




História da “Paella”

A Terra Natal deste prato é a região de Valência, na costa leste da Espanha. Ele surgiu como alimento dos camponeses, nos séculos XV e XVI, quando saíam para o trabalho rural, levando arroz, óleo de oliva e sal, além do recipiente para cozinhar: uma panela redonda com alças, ampla e rasa chamada de “Paella”. Esse formato facilitava o mexido do arroz e seus componentes durante o preparo, proporcionando um cozimento por igual.

Como a origem desta verdadeira delícia está fortemente relacionada ao campo, incorporavam à receita do prato os ingredientes que encontravam, tais como, carne de caça, sobretudo de lebre e de pato, legumes da estação e açafrão (nobre especiaria) retirada das flores, dando o colorido amarelado ao arroz.

Passado algum tempo, a Paella difundiu-se e alcançou o litoral. Aí acrescentou-se os frutos do mar: camarões, lulas, vôngoles, mexilhões, lagostins e polvo, tornando-o um prato mixto (terra e mar).

A origem da Paella vem do latim “Patella”, bandeja usada na antiga Roma destinada às oferendas aos Deuses, nos rituais de fecundação da terra.

Dizem também os historiadores que a palavra “Paella” surgiu quando os trabalhadores rurais voltavam para seus lares nos finais de semana e em homenagem às suas esposas preparavam essa deliciosa iguaria “Para Ellas” dando origem ao nome. A Paella é um prato festivo que os Espanhóis saboreiam em datas marcantes como: casamentos, aniversários, batizados, feriados religiosos e finais de semana.

EMBUTIDOS ESPANHÓIS




Raramente o porco é utilizado fresco na culinária espanhola. Ele é praticamente destinado inteiro às conservas, às semi conservas e aos embutidos. A Espanha manteve ao longo dos séculos uma tradição em embutidos herdada da época romana.
Tendo a maior produção e consumo de presunto do mundo, oferece hoje em dia uma extraordinária diversidade de embutidos, entre os quais o presunto ibérico, secado e maturado por pelo menos 18 meses. O porco dos quais são produzidos, é criado nas florestas da Andaluzia e consome bolotas de carvalho que conferem à carne um suntuoso marmorizado (rajado) de gordura e um sabor intenso.
De todos os embutidos espanhóis, o lombo embuchado é sem discussão o mais singular. Tenro e untuoso, esse produto marinado, no qual as especiarias e os condimentos desempenham papel determinante, é degustado em fatias finas, como o presunto. O chouriço é uma salsicha de forma alongada, dobrada sobre ela mesma, composta de carne de porco condimentada com pimentón (a páprica espanhola), que lhe dá sua coloração vermelha. É consumido cru ou cozido e entra na composição de um grande número de pratos, como o cocido madrileno, a fabada das Astúrias, o cozido de vagens ou o pote gallego, um guisado de repolho e batata, reconfortante receita de inverno dos habitantes da Galícia.
Além disso, cada região apresenta seus próprios embutidos, cujas receitas foram elaboradas de acordo com as influências culturais e o clima: chouriço de sangue (butifarras e morcillas), salames (fuets e longanizas) da Catalunha, morcon de Estremadura, bottillo de Bierzo, cécina de Leon, chistorra do País Basco.


ANCHOVAS



Esses pequenos peixes de flancos prateados, abundantes no Mediterrâneo e no oceano Atlântico, deslocam-se em cardumes. São consumidos em filés, seja salgados, seja marinados no óleo, ou como tapas, numa marinada de azeite de oliva, ou ainda enrolados em torno de uma azeitona verde, presos por um palito.

POLVOS E LULAS



São moluscos marinhos muito apreciados, com freqüência servidos com sua tinta, em especial nas tapas, o que Ihes confere um matiz violeta um pouco surpreendente. Cortados em pedaços, são simplesmente fritos ou preparados de maneira mais elaborada.

O AZEITE DE OLIVA



Como a Grécia, a Espanha é o país das oliveiras. Grande parte da produção de olivas é destinada à fabricação de azeite, onipresente na cozinha espanhola.
Existem duas categorias: os virgens (extrafino, fino ou semifino) e os puros, mistura de azeites virgens e refinados. Rico em lipídios, vitamina E, e ômega 3. Os catalães o degustam puro, nele mergulhando pedaços de pão, ou sobre uma fatia de pão esfregada com alho. Serve para as frituras, os temperos, as saladas e as paellas, mas também para fazer maionese ou ainda o aioli, típico do Sul da Espanha.


OS TURRONES




Trata-se do torrone espanhol. Esse doce à base de clara de ovo, amêndoas trituradas e açúcar é encontrado em muitas variedades, conforme a região em que é produzido. Podem se acrescentar nozes, avelãs, mel, pinhões, pistaches e até canela.


AS FRUTAS
MELÃO E MELANCIA



Originário da Ásia, o melão é cultivado no Sul da Europa. É degustado in natura, no começo ou no fim da refeição, por vezes acompanhado com um vinho licoroso, como o Porto ou Xerez, mas também em doces e conservas. A melancia também é bastante apreciada na Espanha.


LARANJA



A Espanha se tornou um dos maiores produtores mundiais de laranja. As três principais variedades produzidas são: a nave, precoce e sem sementes, a tardia, de polpa clara, e a Valencia, firme, de casca lisa, cuja polpa é quase sempre sumarenta e acidulada.


RECEITAS DE ESPANA 01

CAMARÃO COM ALHO E MOLHO DE VINHO BRANCO



INGREDIENTES:

- 01 colher de sopa de manteiga sem sal Aviação
- 02 dentes de alho picados
- 01 ramo de salsa picada
- 01 folha de louro
- pimenta dedo de moça Q.B.
- 100 g de camarão descascado
- 50 ml de vinho branco seco
- Cachaça Q.B.
- Azeite Q.B.
- Sal Q.B.

PREPARO:

- tempere o camarão com sal e um fio de cachaça
- em uma panela aqueça a manteiga e frite o alho até dourar um pouco, acrescente o camarão, a folha de louro e a pimenta
- com muito cuidado acrescente o vinho e deixe cozinhar por alguns minutos, no final da cocção,coloque um fio de azeite, a salsa picada e corrija o sal
- coloque em uma travessa e sirva imediatamente


PAELLA DEL MARINERO




Ingredientes para a paella:

- 100 gramas de camarões médios sem casca e sem cabeça(reserve alguns para decoração)
- 100 gramas de lulas limpas cortadas em anéis(reserve as perninhas para decoração)
- 100 gramas mexilhões limpos ( alguns com casca)
- 01 xícara de arroz (bomba) ou arroz arborio 
- ½ cebola picada
- 02 dentes de alho picados
- ½ xícara de ervilha torta
- ½ tomate
- ½ pimentão vermelho sem pele em tiras
- Azeite áspero Q.B.*
- azeite extra virgem Q.B.
- sal Q.B.
- pistilos de açafrão Q.B.
- cachaça Q.B.
- ½ limão Siciliano
- fumet de peixe Q.B.


Preparo da Paella:

- tempere os camarões, lulas e mexilhões com sal, cachaça, algumas gotinhas de limão, tampe e leve a geladeira por 15 minutos
- em uma panela para paella coloque o azeite áspero e refogue a cebola até ficar translúcida sem dourar, acrescente o alho picado e deixe refogar em fogo baixo até ficar bem dourado
- acrescente o tomate, o pimentão e o açafrão deixe refogar um pouco
- logo após acrescente o arroz e deixe fritar um pouco sem queimar
- com uma concha, coloque o fumet de peixe quente até cobrir o arroz no dobro da altura e deixe cozinhar em fogo baixo, ou seja, en fuego lento
- em uma frigideira coloque um fio de azeite e salteie rapidamente o camarão, lulas e os mexilhões em fogo alto, reserve
- quando o arroz estiver na metade do cozimento acrescente as ervilhas tortas, os camarões, as lulas e os  mexilhões
- corrija o sal e deixe cozinhar em fogo baixo até ficar pronta
- enfeite com os camarões, perninhas das lulas e mexilhões, sirva imediatamente

AZEITE ÁSPERO

* ( o azeite áspero é a redução do azeite com a carcaça do camarão por um período de 3 horas , quem tem o fogão coktop beleza , e para quem não tem utilize a chama do fogão no mais baixo possível ou como o chef da le cordon deu uma dica , coloque á panela em outra panela em água fervente e vai controlando (serve também para clarificar a manteiga) finalizando no liquidificador e peneira) .


FLAO DE LAS BALEARES



INGREDIENTES PARA A MASSA:

- 03 xícaras de farinha de trigo
- 01 gema de ovo
- 02 colheres de sopa de açucar
- 180 grs. de manteiga sem sal Aviação
- Água gelada Q.B.

INGREDIENTES PARA O RECHEIO:

- 200 g. de ricota fresca picada
- 200 g. de açúcar
- 01 ramo de folhas de hortelã
- 02 ovos
- mel Q.B.

PREPARO DA MASSA:

- na batedeira com a raquete, coloque a gema para bater com a manteiga
- misture a farinha e o açúcar passe a farinha com o açúcar pela peneira e com a batedeira em movimento adicione a farinha as gemas com manteiga, deixe bater até formar uma massa homogênea, se necessário, acrescente um pouco de água gelada para que a massa ganhe liga
- retire da batedeira e forme uma bola enrole com papel filme e deixe na geladeira por 30 minutos, se a massa estiver com boa consistência, não é necessário .

PREPARO DO RECEHEIO:
- pique as folhas de hortelã. Bata os ovos e misture o hortelã, a ricota e o açúcar

MONTAGEM:
- Com o auxilio de um saco plástico abra a massa até ela ficar um pouco maior que a forminha de fundo removível
- Vire a massa sobre a forminha com cuidado e ajeite sobre a forma sem deixar nenhuma falha
- despeje o recheio por cima das massas nas formas
- leve ao forno à 220 graus centígrados por 40 minutos, ou até estarem assadas, sirva frio com mel por cima

RECEITAS DE ESPANA 02

POLVO MARINADO COM RUCULAS



INGREDIENTES:

- 250 grs. de polvo limpo
- 01 colher de sopa de limão siciliano
- casca de ½ limão siciliano
- ¼ cebola picada e uma cebola inteira sem casca
- 01 colher de café de orégano
- folhas de rucula fresca Q.B.
- 100 ml. Azeite Extra Virgem Colavita
- sal Q.B.

PREPARO:

- Em uma panela de pressão, em fogo baixo, cozinhe o polvo sem água junto com a cebola inteira , com sal, por 10 minutos após iniciar a pressão
- Retire o polvo da panela de pressão e corte em pedaços do tamanho de uma bocada, deixe esfriar
- Aos pedaços de polvo frio adicione o Azeite Extra Virgem Colavita, o suco e a casca do limão, a cebola picada e o orégano. Corrija o sal
- Coloque em um recipiente tampado e deixe marinar por 01 hora na geladeira

MONTAGEM:

- Faça uma cama com as ruculas, coloque os pedaços de polvo sobre a rucula e distribua a marinada por cima e sirva frio.


FABADA ASTURIANA



INGREDIENTES:

- 100 g. de presunto cru cortado em cubos grandes
- 375 g. de feijão branco
- ½ cebola cortada ao meio
- ½ dente de alho amassado
- 1/2 lingüiça portuguesa
- 1/2 lingüiça calabresa
- 25 g. de bacon
- salsa Q.B.
- óleo de canola Q.B.
- 01 pitada de açafrão
- azeite extra virgem Colavita Q.B.
- sal Q.B.


PREPARO:

- Na véspera, deixe o presunto de molho água fria e troque a água de 06 em 06 horas
- Na véspera deixe o feijão de molho em água fria
- Escalde o presunto, as lingüiças e o bacon em água fervente por 05 minutos despreze a água
- Cozinhe o feijão em bastante água, sem sal, em uma panela de pressão por 20 a 25 minutos, após levantar pressão
- Em uma panela refogue no óleo de canola, a cebola, o alho, o feijão cozido, o presunto, as duas lingüiças, sem a pele, o bacon, acrescente a água do cozimento do feijão até cobrir tudo, e deixe levantar fervura
- Assim que levantar fervura, coloque uma pitada de açafrão, reduza o fogo e cozinhe em fogo médio até os feijões estarem macios, cuidado para não pegar no fundo, se for necessário acrescente mais água do feijão aquecida e mexa eventualmente
- No final acrescente a salsa picada, corrija o sal, se necessário, se o caldo estiver muito liquido retire uma concha de feijões e bata no liquidificador e retorne a fabada
- Sirva a fabada com as carnes por cima


TARTA DE NARANJA Y ALMENDRAS (BOLO DE LARANJA E AMÊNDOAS)



INGREDIENTES PARA O BOLO:

- 115 g. de manteiga sem sal Aviação
- casca ralada de ½ laranja
- 115 g. de açúcar
- 02 ovos batidos
- 175 g. de semolina fina
- 50g. de amêndoas moídas
- 1 colher de chá de fermento em pó
- 03 colheres de sopa de suco de laranja
- tirlnhas de casca de laranja, para decorar

INGREDIENTES PARA A CALDA:

- 250ml de suco de laranja
- 115g de açúcar

PREPARO DO BOLO:

- Pré-aqueça O fomo a 180°C. Unte com manteiga uma forma de 20 cm de diâmetro.
- Bata com a raquete, a manteiga com a casca de laranja e o açúcar até obter uma mistura leve e cremosa. Acrescente gradualmente os ovos batidos.
- Em um bowl misture a semolina, as amêndoas moídas e o fermento em pó; com a batedeira em movimento, acrescente a mistura de semolina à mistura da manteiga, no final adicione as 03 colheres de suco de laranja.
- Coloque a mistura na forma já untada e asse por 30 a 40 minutos, até que esteja crescida - um palito inserido no centro deve sair limpo.
- Deixe esfriar na forma por alguns minutos.
- Enquanto isso, faça o xarope
- Coloque o suco de laranja e o açúcar numa panela. Leve ao fogo alto e aqueça até que o açúcar tenha dissolvido. Ferva por 4 minutos em fogo alto.

MONTAGEM:

- Vire o bolo num prato e despeje o xarope por cima. Decore com casca de laranja e sirva quente ou frio, acompanhado de sorvete de creme