Pesquisar este blog

11.14.2011

Vieiras Sautées - Coquilles Saint Jacques Meuniéres

Vieiras Sautées
Coquilles Saint Jacques Meuniéres




As vieiras combinam bem com todos os tipos de molhos, mas cozinhar de maneira simples é a melhor maneira dê apreciar o sabor delas.

Serve 2 porções

450 g de vieiras sem conchas

30 g/ 2 cols. de sopa de manteiga

30 ml/ 2 cols. de sopa de vermouth branco seco

15 ml/ 1 col. de sopa de salsinha fresca bem picada

sal e pimenta-do-reino moída na hora




1 Lave as vieiras na água da torneira para retirar a areia ou as cracas e deixe secar usando papel toalha de cozinha. Tempere levemente com sal e pimenta.

2 Coloque as vieiras em uma frigideira grande suficiente para elas ficarem em uma só camada, aqueça levemente metade da manteiga até ela começar a pegar cor. Frite as vieiras na manteiga por 3-5 minutos, virando até ficarem marrom-douradas dos dois lados e consistentes ao serem tocadas. Coloque-as em uma travessa e cubra para mantê-las quentes.




3 Coloque o vermute na frigideira, mexa com o restante da manteiga, adicione a salsinha e coloque o molho sobre as vieiras. Sirva na hora.

Arroz-de-Hauçá - Culinária Baiana

Arroz-de-Hauçá



Sodré Viana em seu livro, Caderno de Xangô, conta o seguinte fato:

"Uma recordação da infância. Rui Barbosa estava na Bahia. Vinha pregoeiro do voto popular, fazer propaganda de sua candidatura à Presidência da República. Na bela vivenda da família Augusto Viana, na Graça, um almoço íntimo, bem baiano, reuniu numerosos amigos do senador.

E surgiu um prato de arroz-de-Hauçá. Naquele tempo, negro era negro, não entrava nas cogitações de brasileiro fino. Só o velho Nina Rodrigues, um cientista, coitado! ... tivera a pachorra de andar cheirando os mulambos da raça de serviço... Arroz-de-Hauçá...

- Donde viria aquilo, aquele nome tão esquisito?

E o Conselheiro, interpelado, teve um brilho erudito na imensa testa.

Explicou: era uma corruptela de arroz de água e sal. Os pretos, na sua maneira de engolir letras, diziam arroz de água e sá, donde arroz de aussá.

Correu pela mesa em murmúrio apaixonado.

Aquele talento!

Aquela cultura! "





600 g de arroz

200 g de charque

1/2 colher (sopa) de óleo

45 g de cebola

1 ovo cozido

Sal a gosto





Retire o sal do charque, em seguida corte em tiras finas e refogue em óleo. Depois de refogado acrescente a cebola, o arroz e água para cozinhar. Quando estiver pronto, decore com um ovo cozido, cortado em tiras.

Rendimento: 6 porções

Tempo de cozimento: 15 min.





Fotos ilustrativas: Arquivo pessoal e Nadja Pereira e Alessandro Canella