Pesquisar este blog

8.15.2012

A História de Julia Child...

História de Julia Child




Julia é conhecida por introduzir a culinária francesa para o público norte-americano através do seu primeiro livro “Mastering the Art of French Cooking”. Child passou pela Escola de Westridge, pela Escola Politécnica no ensino médio, a partir daí, ela foi para a Khaterine Branson School na cidade de Ross, na Califórnia.

Os esportes também fizeram parte da vida de Julian. Ela praticou por anos tênis, basquete e até golf. Procurando novos ares para seus estudos, Child se mudou para Nova York, onde ela conseguiu um emprego como redatora em uma empresa de publicidade.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Child entrou no Escritório de Serviços Estratégicos (OSS sigla em inglês), isso depois que ela descobriu que era muito alta para se alistar no exército para mulheres ou então na marinha americana.

Mais tarde, no atual Sri Lanka, ela conheceu Paul Cushing, que também trabalhava na OSS. Eles se casaram em setembro de 1946, em Lumberville, na Penssylvania.

Foi Paul que introduziu Julia para a culinária. Julia recordou muitas vezes a sua primeira refeição em Rouen como uma revelação culinária.





Julia Child.

Certa vez, ela descreveu para o The New York Times, que uma refeição de ostras, um exclusivo meuniere e um bom vinho, como sendo uma ‘abertura da alma e do espírito’.

Depois, em Paris, ela fez parte do famoso Le Cordon Bleu, uma escola de culinária, e, mais tarde, estudou junto com Max Bugnard e outros grandes mestres da cozinha.

Julia então entrou no restrito clube de mulheres cozinheiras, o Cercle des Gourmettes, onde conheceu Simone Beck, com a qual escreveu o livro de culinária francesa para americanos ao lado também de sua amiga Luisette Bertholle.

O livro foi um best-seller e recebeu boas criticas e também foi considerado por abrir as portas para o interesse do povo americano a cultura da França, no começo dos anos 60.

Julia Child entrou na TV, no canal WGBH, em fevereiro de 1963, e teve muito sucesso na empreitada. Ela teve um show televisivo por dez anos. Em 1981, ela fundou o The American Insititute of Wine and Food ou o Instituto Americano de Vinho e Alimentos.

Em agosto de 2004, dois dias depois de completar 92 anos, Julia Child faleceu com falhas nos rins.





Julia Child, pseudônimo de Julia Carolyn McWilliams (Pasadena, 15 de agosto de 1912 — Santa Bárbara, 13 de agosto de 2004) foi uma autora de livros de culinária e apresentadora de televisão americana. Julia Child poderia ter sido apenas mais uma apresentadora de programa de culinária.
Mas foi com seu jeito original e bem humorado, saudando sua audiência com um largo sorriso e um sonoro “Bon Appétit”, que ela conquistou de “simples mortais”, ávidos por aprender a cozinhar, a célebres nomes da gastronomia mundial. Embora tenha falecido no ano de 2004, dois dias antes de completar 92 anos de idade, a chef californiana continua sendo atual e, diga-se de passagem, muito bem citada pelos entendidos do assunto. “Julia Child foi a figura mais importante, influente e com poder de mudança da história da gastronomia americana. Tudo se volta para ela”, disse o renomado chef americano Anthony Bourdain, do programa de TV de culinária Anthony Bourdain: No Reservations, ao jornal Huffington Post. “Ela será lembrada pelo que ela fez nessa terra, que era inspirar milhares de pessoas a cozinhar – e comer – melhor”, acrescentou. Neste dia 15 de agosto Julia completaria 100 anos de idade.






Em 2009, seu encontro com a culinária foi retratado no filme Julie & Julia, protagonizado pela atriz Meryl Streep. Desafiando a própria inabilidade na cozinha, ela começou a se aventurar nas panelas tardiamente. “Eu tinha 32 anos quando comecei a cozinhar. Até então eu só comia”, disse, certa vez. Após se mudar para França, para acompanhar o marido militar, resolveu afastar o tédio se matriculando nas aulas de culinária oferecidas pela escola Le Cordon Bleu – decisão que acabou mudando a sua vida.





Com bom humor e persistência, ela se entendeu muito bem com as técnicas francesas e acabou por compartilhar o que aprendeu com milhares de pessoas por meio de seus programas de TV e livros, entre ele, a “bíblia” Mastering the Art of French Cooking (em tradução livre, Dominando a Arte da Culinária Francesa). “Julia foi uma mentora para mim. Ela influenciou completamente a forma como me aproximo e preparo comida. Ela ajudou a mudar a forma como os americanos enxergam o ato de cozinhar e de jantar”, afirmou o chef americano Emeril Lagasse, que tem programas de TV de culinária e livros sobre o assunto. Francês para não-franceses Julia tinha um jeitão todo irreverente de mostrar suas receitas – era capaz de virar uma panqueca de forma desajeitada, deixando cair metade para fora da massa, após acabar de falar, em rede nacional, que “para virar qualquer coisa, é preciso ter coragem”.





E foi justamente essa simplicidade que acabou se tornando uma de suas marcas registradas, uma vez que popularizou a então inacessível culinária francesa. Patty Martins, 43, de Garanhuns, interior de Pernambuco, que assina o blog Aqui na Cozinha, acredita que Julia foi inovadora. “Ela é atual e continuará sendo, pois não se resume a ser uma chef. Ela nos ensinou o valor da simplicidade e nos deu lições para encarar a vida com leveza, curtindo cada momento por mais simples e pequeno que ele seja”.



Sobre o Filme




Meryl Streep é considerada por muitos como uma das melhores atrizes de todos os tempos. Os mais pessimistas podem dizer que ela é a pior perdedora do Oscar, já foram 16 indicações em que ela venceu apenas duas vezes. Um dos motivos, são indicações por filmes como esse. Claro que ela faz um trabalho competente como sempre, mas não é uma interpretação tão arrebatadora assim. Talvez a academia fique tão ansiosa pra homenageá-la, que com certeza é a maior atriz viva, que qualquer atuação lhe vale uma indicação. Aqui, ela se junta a Amy Adams, que já acumula 3 indicações sem vitórias.
Vamos ao filme que é baseado na vida de duas mulheres que existiram. Acompanhamos a vida das duas em época distintas. Julia se muda para Paris para acompanhar o marido que trabalha na embaixada. Cansada de ficar sem fazer nada, ela tenta diversos cursos para aprender alguma coisa, até que vai parar num curso de culinária avançada em uma sala onde só tem homens. Julie tinha uma carreira promissora, mas acabou tendo que trabalhar em um cubículo atendendo telefonemas o dia inteiro.
O que as une é a culinária francesa e o desejo de compartilhar esse conhecimento com as outras pessoas. Julia, através de um livro. Julie, através de um blog na Internet. O desejo das duas, porém, é bem diferente. Julia quer um livro que seja revolucionário, que mude o mundo, talvez. Julie quer apenas elevar sua abalada auto estimada. Julia leva 8 anos para terminar o livro e tentar publicá-lo, Julie quer pegar todas as 524 receitas do livro e cozinhá-las em um ano.
As duas são, aparentemente, adoráveis, mas depois de um tempo as duas começam a ficar irritantes. Uma com suas obsessões de querer fazer tudo perfeito e outra que é insegura demais e tem crises pelos motivos mais bobos. De qualquer forma é o leva o filme adiante.
Geralmente os filmes que mostram culinárias, tendem a deixar o espectador com vontade de comer aquelas comidas maravilhosas, ou pelo menos com vontade de conhecer aquela culinária. Este filme, escrito e dirigido por Nora Ephron, falha nas duas coisas. Em nenhum momento fico interessado pelas comidas do filme. Nem com vontade de conhecer nenhum prato ou coisa parecida da culinária. Uma pena.
O que realmente me incomodou no filme, porém, foram os maridos. Mesmo quando os atores principais não são tão bons assim, bons coadjuvantes poderiam ajudar. Mas os maridos nesses filmes são nulos e mais desinteressantes ainda, apesar de terem papéis relativamente grandes. Paul (Stanley Tucci), marido de Julia só serve para dizer o quão maravilhosa sua esposa é. E, claro, quão boa é a comida dela. Eric faz o mesmo papel de apenas elogiar a comida de Julie, a diferença é que ele sempre parece um morto de fome comendo pizza na frente da TV.
Talvez com personagens mais interessantes eu gostasse mais do filme, mesmo sem me importar tanto com a comida. No geral, não gostei muito de descobrir como a cozinha e a literatura, mudou a vida dessas duas mulheres. O filme tem seus momentos de graça, mas não chega a ser bom. De qualquer forma, valeu outra indicação para Streep.






RECEITAS DE JULIA CHILD


A Omelete Infalível da Julia Child


Ingredientes:
2 ovos frescos em temperatura ambiente (melhor se forem caipiras)
1 colher de sopa de água
1 colher de chá de manteiga
sal e pimenta-do-reino moída na hora


Como fazer:
Aqueça uma frigideira antiaderente e deite ali a manteiga para derreter.
Enquanto isso, quebre os ovos, bata bem com o garfo, misture com a água.
Despeje a mistura de ovos na frigideira pelando e vá fazendo esse vai-e-vem aí do vídeo (pra mim demorou um bocadinho mais, que meu fogão é tinhoso).
Polvilhe pimenta e sal, dê a voltinha na omelete, despeje no prato, mais uma pitada de sal e pimenta e sirva. Fica bom polvilhado com páprica, com ervinhas frescas ou secas, untado com um pouco mais de manteiga… é uma receita coringa, uma base deliciosamente simples sobre a qual brincar. A minha foi ainda mais simples, porque era desse jeito que queria minha vontade. 



Fricassée tradicional de frango da julia child


Cozimento preliminar em manteiga

1 quilo e meio de frango em pedaços.
Seque o frango com um toalha de papel
1 panela grande
1 cebola picadinha
Cenoura e salsão também picados
4 colheres de sopa de manteiga
Cozinhe os legumes na manteiga em fogo médio por mais ou menos 5 minutos, ou até eles estarem macios, mas não dourados. Empurre os legumes para um canto da panela, aumente o fogo e adicione os pedaços de frango. Vire a cada 3 ou 4 minutos até a carne estar um pouquinho mais rígida, com uma cor de dourado pálido. Abaixe novamente o fogo, tampe a panela e cozinhe devagar por uns 10 minutos, virando os pedaços do frango uma vez. A carne deve ficar mais rígida, mas não deve ficar muito mais escura.

Adicionando a farinha
1/2 colher de chá de sal
1/8 colher de chá de pimenta do reino moída
3 colheres de sopa de farinha de trigo
Polvilhe os pedaços de frango com o sal, pimenta e a farinha, primeiro de um lado, depois do outro. Cubra a panela novamente e deixe cozinhar bem devagar, por 4 minutos virando os pedaços uma vez.

Cozinhando com o caldo e o vinho
3 xícaras de caldo de galinha fervendo
1 xícara de vinho branco seco ou
2/3 xícara de vermouth branco seco
1 buquê pequeno de ervas: salsinha, louro e tomilho amarrados num paninho
Remova a panela do fogo e jogue o caldo de frango fervendo, mexendo bem para o liquido se dissolver na farinha. Adicione o vinho ou vermouth, o buquê de ervas e mais caldo ou água até quase cobrir os pedaços de frango. Volte a panela ao fogo e cozinhe em fogo médio de 25 a 30 minutos. O frango estará cozido quando a carne estiver macia e o suco escorrer bem claro quando se cutucar com um garfo. Quando estiver cozido, remova os pedaços de frango da panela e coloque num prato.

A guarnição de cogumelos
250 gr de cogumelos frescos
2/3 de xícara de água
1/4 colher de chá de sal
1 colher de sopa de suco de limão
2 colheres de sopa de manteiga

Limpe e corte os cogumelos. Numa panela coloque a água, o limão, o sal e a manteiga e leve ao fogo até ferver. Adicione os cogumelos, misture bem, cubra a panela e ferva, mexendo frequentemente por uns 5 minutos. Reserve.

O molho
2 gemas de ovo
1/2 xícara de creme de leite fresco
1 vasilha grande
1 batedor de arame
Sal, pimenta do reino moída
Pingos de suco de limão
Uma pitada de noz moscada
Cozinhe o liquido que sobrou na panela por 2 ou 3 minutos, aumente o fogo e ferva mexendo frequentemente com uma colher de pau, até o molho reduzir e engrossar. Você deverá terminar com 2 ou 2 1/2 xícaras de molho.

Numa vasilha grande, bata bem as gemas com o creme de leite usando o batedor de arame. Continue batendo e vá adicionando uma xícara do molho quente de colherada em colherada e termine adicionando o resto de uma vez só, batendo sempre. Coloque o molho de volta na panela e cozinhe em fogo médio, mexendo constantemente até o molho ferver. Deixe ferver por 1 minuto, sem parar de mexer com um batedor. Desligue o fogo, corrija o sal e a pimenta, adicione gotas de suco de limão e uma pitada de noz moscada. Passe o molho por uma peneira fina.


Boeuf Bourguignon By Julia Child


Ingredientes



170g de bacon
1 colher de sopa de azeite
1 quilo de carne em cubos de 5cm (usei 500g de músculo e 500g de lagarto)
1 cenoura
1 cebola
1 colher de chá de sal
½ colher de chá de pimenta
2 colheres de sopa de farinha de trigo
3 xícaras de vinho tinto (Julia sugere um vinho encorpado e jovem, como um Chianti)
2 a 3 xícaras de caldo de carne*
1 colher de sopa de extrato de tomate
2 dentes de alho amassados
2 raminhos de tomilho
uma folha de louro
toucinho do bacon


Importante! Panela! Certifique-se que sua panela vai ao forno e tem tamanho suficiente para comportar todos os ingredientes da receita, caso contrário terá surpresas desagradáveis no meio do processo.

Modo de fazer



Remova o toucinho e corte o bacon em tirinhas de aproximadamente 0,5cm por 4cm. Coloque em uma panela com cerca de 1,5L de água e ferva tudo por 10 minutos. Escorra e deixe secar. Ligue o forno para que aqueça em temperatura média-alta (cerca de 230ºC).



Seque os cubos de carne em papel toalha, para que dourem facilmente. Frite o bacon (exceto o toucinho) no azeite e quando dourado retire com uma escumadeira e reserve. Deixe a gordura esquentar até quase fazer fumaça. Aos poucos, frite os cubos de carne na gordura do bacon, sem encher muito a panela para que dourem por igual, por todos os lados. Retire os cubos já dourados e reserve junto ao bacon frito.



Doure a cenoura cortada em rodelas e a cebola em fatias na mesma gordura. Descarte o excesso de gordura ao final. Volte a carne e o bacon à panela junto com os vegetais e tempere com sal e pimenta, salpique a farinha de trigo, misture e leve a panela ao forno, deixando a farinha dourar sobre a carne por 4 minutos ou mais. Retire do forno, mexa a carne e retorne a panela ao forno, deixando mais 4 minutos. Ao final, retire a panela e abaixe a temperatura do forno para 160ºC (fogo baixo).
Derrame na panela o vinho e o caldo de carne, cobrindo a carne. Adicione o extrato de tomate, os dentes de alho esmagados , as ervas e o toucinho. Leve à fervura na chama do fogão. Tampe a panela e transfira-a para o forno, deixe na grade mais baixa do forno, e regule o calor para que o líquido ferva apenas levemente. Deixe cozinhar por 2 e ½ a 3 horas, ou até que consiga espetar um garfo na carne com facilidade.



Enquanto a carne assa, prepare as Cebolas e Cogumelos Glaceados e reserve-os.



Quando a carne estiver macia, coe o conteúdo da panela fazendo com que o molho escorra em uma panela menor. Retorne a carne e o bacon à panela original e disponha as cebolas e cogumelos sobre eles.



Retire a gordura aparente do molho e leve ao fogo baixo, fervendo levemente por alguns minutos e retirando alguma gordura que venha a aparecer na superfície. Você deverá obter cerca de 2 xícaras e meia de molho, espesso o suficiente para cobrir o verso de uma colher. Se o molho ficar muito ralo, ferva-o por alguns minutos até reduzir e espessar. Já se estiver espesso demais, ajuste a consistência com um pouco de caldo de carne. Ajuste o tempero, controlando com cuidado o sal e a pimenta. Derrame o molho sobre os a carne e os vegetais. Até este ponto, a receita pode ser preparada na véspera.



Se for servir na hora: aqueça a panela por alguns minutos, umedecendo a carne e os vegetais com o molho. Sirva na própria panela do cozimento ou arranje em um prato, complementando com batatas, massa ou arroz. Se quiser, decore com salsinha.



Se for servir mais tarde: mantenha em geladeira depois de frio. Cerca de 20 minutos antes de servir, aqueça, tampe e deixe ferver em fogo baixo por cerca de 10 minutos, umedecendo os vegetais e a carne com o molho.



*Prefira o caldo de carne caseiro. Ferva em fogo baixo por cerca de 2h ou mais uma cenoura, uma cebola e um talo de salsão com um pedaço de carne com osso e algumas ervas do seu gosto. Escorra, resfrie, retire o excesso de gordura e pronto.



Salada Caesar da Julia Child – para 2 pessoas

Ingredientes:2 pés de alface romana, folhas bem lavadas1 xícara de chá de croutons de pão torrado1 dente de alho descascado1/4 de xícara de azeite de boa qualidadesal a gosto1 ovo grandepimenta do reino moída na hora1 limãogotas de molho inglês2 colheres de sopa de queijo parmesão ralado

Modo de Preparo: Para esta salada indica-se o uso apenas das folhas centrais do pé de alface, retire as folhas externas e reserve para outra salada. Lave as folhas muito bem e depois enxugue em guardanapo ou papel toalha. Esmague o dente de alho e coloque na frigideira com 1 fio de azeite e sal. Aqueça e acrescente os croutons, mexendo por apenas 2 minutos para que fiquem impregnados com o sabor do alho. Reserve. Cozinhe o ovo em água fervente por apenas 3 minutos para ficar mole. Monte a salada com as folhas na base do prato, depois regue com azeite, suco de limão, gotas de molho inglês, pimenta moída e sal a gosto. Misture delicadamente para temperar por igual. Descasque o ovo, parta ao meio e coloque sobre as folhas. Polvilhe o queijo parmesão ralado e sirva com os croutons. Sirva em seguida.