Pesquisar este blog

4.29.2016

AGORA O BLOG ALQUIMIA DA COZINHA TEM O SEU CANAL NO YOUTUBE!!!

Devido o sucesso do blog Alquimia da Cozinha esta nascendo o canal no youtube do Blog, com dicas, receitas, viagens gastronomicas e muito mais....de um like e se inscreva no canal, acompanhe como ficou nossa vinheta de abertura e logo mais os primeiros videos!!!!


4.27.2016

Menu Frances para um jantar especial com Entrada, Prato Principal e Sobremesa







A entrada

Endives Caramilisées a La Créme de Morilles (endívias capameladas com creme de cogumelos morilles)


Porção para 4 pessoas

Ingredientes:

Para as endívias:

4 folhas de endívias

80 g de açúcar

30 ml de vinagre balsâmico

40 g de manteiga

Para o creme:

20 g de cebolas picadas

30 g de manteiga

100 g de cogumelos morilles secos

50 ml de conhaque

120 ml de fundo de carne

100 g de creme de leite fresco sal e pimenta

ramos de ciboulette

folhas de manjericão e de hortelã

Modo de fazer:

As endívias carameladas:

Corte as endívias pela metade e refogue na manteiga até ficarem cozidas. Salpique o açúcar sobre as folhas e deixe caramelar. A seguir coloque o vinagre balsâmico e deixe reduzir até secar.

O creme de cogumelos:

Coloque a metade dos cogumelos na água morna, até ficarem macios. A seguir, refogue‑os na manteiga com a cebola picada. Flambe os cogumelos com o conhaque e em seguida adicione o fundo de carne e o creme de leite. Deixe ferver até ficar com uma aparência cremosa. Liquidifique a outra metade dos cogumelos e misture ao molho. Tempere com sal e pimenta.

Decore o prato com ramos de ciboulette, folhas de manjericão e de hortelã.





Blanquete de Veau

Porção para 4 pessoas



Ingredientes:

900 g de pernil ou paleta de vitela cortadas em cubos de aproximadamente 4 cm de largura

1/2 litro de consommé de frango

1/2 cebola

1 cravo

1 bouquet garni

2 cenouras médias (divididas em 4 pedaços cada uma)

100 g de cebolinhas para conserva

150 g de cogumelos frescos

150 ml de creme de leite fresco

30 g de manteiga

30 g de farinha

sal

pimenta

1 gema

Modo de fazer:

Colocar a vitela, a cebola com o cravo espetado, as cenouras e o bouquet garni numa panela com o consommé e cozinhar por pelo menos 45 minutos.

Após esse tempo, retirar a carne, reservar, e peneirar o caldo de cozimento.

Em seguida fazer um roux com manteiga e farinha para engrossar o caldo.

Adicionar o creme de leite, temperar com o sal, a pimenta, a noz-moscada. Deixar ferver durante 3 minutos e colocar a gema. Não deixar ferver depois de colocar a gema.

Adicionar a cebolinha para conserva previamente cozida e os cogumelos previamente refogados na manteiga.

Servir com arroz e alho-poró cozido na água salgada. O alho-poró é colocado junto ao arroz.

Vinho:

Branco seco, ou tinto leve. Os bons vinhos gaúchos vão bem aqui.




A sobremesa

Terrine de Fuits Tropicaux Avec Coulis de Jabuticaba (terrina de frutas tropicais, com coulis de jabuticaba)



Porção para 4 pessoas

Ingredientes:

Para a terrine:

1 manga

1 abacaxi em lata (compota)

1 caixinha de morangos

3 goiabas

3 bergamotas ou mexericas

1/2 litro de água

180 g de açúcar

1 pedaço de canela em pau

1 fava de baunilha

polpa de 1 maracujá

5 folhas de gelatina incolor

Para o coulis:

200 g de jabuticaba

80 g de açúcar de confeiteiro

150 ml de suco de bergamotas ou mexericas (decorar com folhas de hortelã)

Modo de fazer:

A terrine:

Corte as frutas em cubos e reserve. Ferva a água com o açúcar, a canela, a baunilha e o maracujá. Junte a gelatina previamente amolecida em água, misture e deixe resfriar. Adicione as frutas cortadas em cubos e passe tudo para uma forma. Deixe na geladeira por seis horas aproximadamente.

O coulis:

Bata todos os ingredientes no liquidificador e passe por uma peneira.

Montagem:

Desenforme a terrine, decore com hortelã e sirva‑a com o coulis








Receitas Italianas e receitas do Chef. Francesco Carli da Itália para o Brasil.

Receitas especiais da Terra da Bota
E receitas do Chef. Francesco Carli








Quando se fala em Itália pensamos nas delicias que este pais e as cidades nos oferecem em seus pratos tipicos, classicos e caseiros.  Sabemos que cada região da Itália tem a sua propria maneira de se destacar em sua gastronomia, e as vezes como eles mesmos dizem serrando o punho " Aqui é muito melhor do que lá"....rsrsrs  Isso ocorreu quando estava perdido em Napoli indo para Sorrento, por que não gostou de Napoli esbravejando e com as mãos com os punhos serrados...dizia um napolitano...rsrsrsr. Mas dificil falar onde se come melhor ou pior na Nostra Itália, pra mim se come bem na Italia toda, rodei a Itália praticamente toda da Sicilia a Veneto, sempre comendo bem, e tudo feito com o maior carinho e amor, inesquecivel. Mas a Itália nos reserva tambem surpresas e inovações, e percebi quando ganhei o livro do Chef. Italiano Francesco Carli, foi uma viagem de sabores e delicias.







Insalatina di Rúcola, Shiitake e Scaglie di Parmigiano
(Salada de rúcula, shiitake e lascas de parmesão)

800 g de rúcula

800 g de shiitake

300 g de queijo parmesão

200 ml de azeite extravirgem

sal e pimenta-do-reino

3 dentes de alho

40 ml de vinagre balsâmico

30 ml de mostarda de Dijon

Corte o shiitake e cozinhe com azeite extravirgem, sal e pimenta moída na hora. Monte o prato colocando a rúcula temperada com sal e pimenta no meio.

Jogue o shiitake em cima e por último as lascas de parmesão. Tempere com um molho de azeite extravirgem, com mostarda, vinagre balsâmico, sal e pimenta.




Insalatina Primavera con Scampi al Sesamo
(Salada primavera com lagostinha e gergelim)

3 kg de cauda de lagostinha

300 g de gergelim (branco e preto)

200 ml de azeite extravirgem

400 g de tomate suco de 20 limões

sal e pimenta-do-reino

150 g de rúcula

150 g de agrião

150 g de lolo vermelha (um tipo de alface roxa)

150 g de valeriana

Tempere a cauda de lagostinha com sal, pimenta e azeite extravirgem. Passe no gergelim, coloque em uma travessa e leve ao forno a 150º C. Coloque em um prato a salada misturada. Quando a lagostinha estiver cozida, coloque de volta em cima da salada. Jogue tomate em cubinhos e tempere com azeite extravirgem centrifugado com suco de limão, sal e pimenta.




Gamberoni Mairinati allo Sherry e Zenzero con Insalatina di Valeriana
(Camarões marinados ao sherry e gengibre com salada de valeriana)

2,5 kg de camarão

200 g de gengibre

500 g de sherry

200 ml de azeite extravirgem

500 g de valeriana

sal e pimenta a gosto

400 ml de caldo de peixe

Limpe o camarão e marine com sherry e fatias de gengibre por 8 horas. Limpe o gengibre e corte à Julienne. Deixe ferver, borbulhando duas vezes na água e marine no sherry. Em uma frigideira, esquente o azeite, jogue o camarão temperado com sal e pimenta moída na hora e cozinhe dos dois lados por mais ou menos 3 minutos.

Acrescente o sherry da marinada, o gengibre à Julienne, o caldo de peixe e o azeite extravirgem. Deixe puxar por alguns minutos. Tire o camarão e deixe engrossar o molho. Coloque o camarão em um prato com valeriana e jogue o molho por cima.

Fumetto di pesce

2 kg de cabeça e isca de peixe (de preferência badejo ou namorado)

300 g de cebola

300 g de cenoura

150 g de aipo

louro a gosto

sal e pimenta-do-reino a gosto

1 litro de vinho branco

1 pitada de tomilho

água

Limpe a isca, tire o sangue. Coloque todos os ingredientes em uma panela e faça ferver bem devagar. Depois que ferver, deixe cozinhar por cerca de 30 minutos. Coe.




Marinata di Salmone all’Anice Stellato e "Namorado" all’Aneto
(Marinada de salmão ao anis e namorado ao aneto)

1 kg de salmão

1 kg de namorado

80 g de sal

50 g de açúcar

50 g de açúcar mascavo

40 g de aneto

20 g de erva‑doce estrela

100 ml de azeite extravirgem

300 g de tomate

Misture o açúcar mascavo com 40 gramas de sal e o anis estrelado bem picadinho. Jogue esta mistura em cima do filé de salmão e deixe marinar por 24 horas. Misture o açúcar com 40 gramas de sal e o aneto bem picadinho. Jogue esta mistura em cima do filé de namorado e deixe marinar por 24 horas. Corte em fatias finas. Coloque no prato alternando os dois tipos de fatias. Tempere com azeite extravirgem. Coloque no meio o tomate cortado em cubinhos e em volta um pouquinho de aneto.











Paupiettes di Aragosta all’Erba Cipollina ed Olio Extra Vergine
(Paupiettes de lagosta perfumada com cebolinha e azeite extravirgem)




500 g de polpa de lagosta


2 claras


100 ml de creme de leite


250 ml de azeite extravirgem


50 ml de suco de limão


30 g de cebolinhas francesas


700 g de camarões sete-barbas


sal e pimenta-do-reino


Moa a carne da lagosta acrescentando sal, pimenta, clara de ovo e, depois, bem devagar, o creme de leite. Faça as bolinhas e cozinhe a vapor junto com os camarões limpos. Prepare o molho adicionando azeite ao suco de limão com sal e pimenta. Coloque no meio do prato os camarões ao lado das bolinhas. Polvilhe com cebolinha picada e, por último, coloque os tomates em cubinhos e o molho por cima.



Piccolo Salmone al Forno con Puré di Zucchine Gratinato
(Salmão gratinado ao forno com purê de abobrinha)

10 g de salmão

sal e pimenta a gosto

250 g de azeite extravirgem

1,3 kg de purê de abobrinha

100 g de queijo parmesão

800 ml de caldo de peixe

300 g de Martini Dry

Limpe o salmão, abra-o do lado das costas e tire as espinhas. Coloque aberto em um tabuleiro e tempere com sal e pimenta moída na hora. Coloque no forno por 8 a 10 minutos em temperatura de 180º C. Tire do forno e, com um saco de confeiteiro, coloque no meio o purê de abobrinha, polvilhe com parmesão e coloque no forno. Faça um molho reduzindo o Martini pela metade, adicione caldo de peixe e engrosse com azeite.

Purê de zucchine

2 kg de abobrinhas

600 g de creme de leite

sal e pimenta a gosto

100 g de queijo parmesão

Cozinhe as abobrinhas cortadas em pedaços em água salgada. Escorra a água e passe por um moedor. Coloque em uni pano e faça escorrer toda a água. Em uma frigideira, reduza para a metade o creme de leite, adicione abobrinha, tempere com pimenta moída na hora. Se necessário, coloque sal. Tire do fogão e adicione parmesão ralado.




Ravioloni di Cicala di Mare con Salsa di Scampi
(Ravioloni de cavaquinha com molho de lagostinha)

Massa

400 g de farinha de trigo

2 ovos

4 gemas


Recheio

800 g de carne de cavaquinha

30 g de alhos

150 ml de azeite extravirgem

50 ml de conhaque

sal e pimenta a gosto

coentro em grãos a gosto

800 ml de molho de lagostinha

150 g de pão em cubinhos

200 g de manteiga

Salsa di scampi.

1,5 kg de lagostinha

200 g de cenoura

800 g de tomate

100 g de conhaque

sal e pimenta a gosto

louro a gosto

200 g de aipo

30 g de alho

4 litros de água

300 g de cebola

Misture a farinha com os ovos e as gemas e deixe descansar. Puxe a cavaquinha no azeite com alho, sal, pimenta e coentro em grãos moídos. Flambe com conhaque e bata no mix. Com a massa branca, faça os ravioloni, cozinhe em água e sal. Enquanto os ravioloni estiverem cozinhando, engrosse o molho de lagostinha com a manteiga. Coloque o molho no prato, depois os ravioloni e, por cima, cubinhos de pão e manteiga derretida.

Salsa di scampi

Puxe no azeite o alho, a cenoura, o aipo, a cebola e o louro. Acrescente a lagostinha e flambe com o conhaque. Adicione tomate, água, sal e pimenta. Cozinhe por cerca de uma hora. Soque a lagostinha num coador grande para extrair todo o caldo.





Risotto di Cinghiale e Merlot
(Risoto de javali e vinho merlot)

800 g de arroz Arborio

1 kg de javali

1 litro de vinho Merlot

100 g de cebola picada

4 litros de caldo de carne

200 g de queijo parmesão

20 g de tomilho

sal e pimenta a gosto

150 g de cenoura

150 g de cebola

100 g de aipo

louro a gosto

cravo e canela a gosto

20 g de alecrim

Javali

Corte o javali em cubinhos e coloque em uma terrina com cenoura, cebola, aipo, canela, cravo, louro, alecrim, tomilho e metade do vinho. Deixe marinar por 14 horas. Separe verduras e carne do vinho. Moa as verduras e puxe com azeite. Em outra panela, puxe o javali temperado com sal e pimenta, depois acrescente as verduras, misture e adicione o vinho da marinada e as ervas. Deixe reduzir o vinho e acrescente caldo de carne até terminar de cozinhar.

Risotto

Puxe em uma panela a cebola picada com manteiga, adicione o arroz e deixe esquentar. Acrescente o caldo aos poucos, alternando com vinho até que esteja cozido. Tire do fogão, coloque parmesão ralado, manteiga, pimenta moída na hora e mexa. Sirva a seguir.





Tagliata di Filetto Manzo al Cabernet con Puré di Melanzane
(Filé mignon fatiado ao molho de vinho Cabernet com purê de berinjela)

2,7 kg de filé de boi

200 g de manteiga

sal e pimenta-do-reino a gosto

1 litro de vinho Cabernet

1,5 kg de berinjela

600 g de demi-glacê

1 pitada de pimenta da Jamaica

1,5 litro de leite

130 ml de azeite extravirgem

20 g de tomilho

Molho

Prepare o molho com vinho Cabernet, fazendo-o reduzir com a pimenta da Jamaica. Acrescente o demi-glacê, deixando ferver mais um pouco, e passe na peneira.

Purê

Cozinhe a berinjela no leite junto com o tomilho. Escorra e passe no mix, acrescente sal, pimenta moída na hora e azeite extravirgem como se fosse uma maionese. Frite o filé de boi em uma frigideira bem quente com azeite. Acrescente o molho Cabernet e engrosse com a manteiga.

Montagem

Coloque o purê de berinjela no meio do prato, os filés ao redor e jogue molho por cima dos filés.





Semifreddo al Torroncino con Salsa di Mora
(Torta gelada crocante com cobertura de amora)

280 g de amêndoas à Julienne

280 g de açúcar

110 ml de creme de leite

60 ml de água

60 ml de kirsh

375 g de frutas cristalizadas

6 claras

375 g de açúcar

1 litro de creme de leite batido

600 ml de calda de amora

Faça o torrone fervendo açúcar, amêndoa, água e creme de leite. Pique a fruta cristalizada e marine com kirsh. Faça um merengue à italiana cozinhando a 121º C o açúcar com água e acrescentando a fio na clara. Bata até esfriar. Acrescente merengue, fruta, torrone bem picado e devagarzinho o chantilly. Coloque na forma e gele.

Calda

Faça um xarope com açúcar a 121º C. Acrescente suco de limão com amora.



Meringata Chantilly alle Fragole
(Merengue com morango e chantilly)

150 g de clara

200 g de açúcar

limão

600 g de morango

Creme

400 ml de calda de baunilha

200 g de chantilly

Calda

400 g de morango

150 g de açúcar

20 ml de suco de

limão

Suspiro

Bata a clara, o açúcar e o limão até o ponto de suspiro. Coloque em forma de disco e cozinhe no forno a 100º C por cerca de 5 horas.

Creme

Adicione devagar a calda de baunilha bem fria no chantilly.

Calda

Faça um xarope com açúcar e água a 121º C e acrescente, ainda quente, no suco de morango e no suco de limão.

Montagem

Faça urna camada colocando na forminha um disco de suspiro, creme, morango cortado em fatias, creme, suspiro. Coloque na geladeira para esfriar. Tire da forminha e decore com creme em cima e ao redor.

Crema vaniglia

500 ml de leite

500 ml de creme de leite

300 g de açúcar

14 gemas

baunilha em pau

Ferva o leite e o creme de leite com a baunilha. À parte, misture gema com açúcar. Acrescente o líquido misturando bem. Volte ao fogo sem deixar ferver. Passe na peneira e deixe resfriar.





Mousse di Caramello con Pere al Vino Rosso e Canella
(Mousse de caramelo com peras ao vinho tinto e canela)

300 g de clara

500 g de caramelo a 128º C

400 ml de creme de chantilly

5 peras

400 ml de vinho tinto

canela

cravo

casca de 1/2 limão

100 g de açúcar

300 ml de calda de baunilha

caramelo a 123º C

Faça um caramelo, acrescente água e deixe cozinhar a 128º C. Faça um merengue à italiana com o caramelo. Resfrie e acrescente o creme de chantilly. Coloque na forminha e leve ao congelador. Cozinhe as peras com cravo, canela, açúcar, vinho tinto e casca de limão. Faça outro caramelo no mesmo sistema a 123º C. Coloque a mousse no prato e ao lado a pêra cortada em leque com a calda de baunilha e caramelo por cima,




Tiramisu

150 g de mascarpone

70 g de açúcar

4 gemas

2 claras

pão-de-ló

200 ml de café

30 ml de rum

40 g de cacau

400 g de chocolate amargo

Com o chocolate derretido, faça as forminhas. Bata as gemas com açúcar e depois una o mascarpone. Bata as claras em neve e junte-a ao creme. Corte o pão-de-ló em fatias. Faça o café e acrescente o rum. Na xícara, faça uma camada de creme, coloque pão-de-ló umedecido em café e repita, terminando com urna camada de creme. Deixe resfriar por 4 ou 5 horas. Polvilhe com chocolate. Coloque no prato a calda de baunilha, decore com chocolate e coloque o tiramisu no meio.



RECEITAS DE FRANCESCO CARLI






Bacalhau à Vicentina com Polenta Amanteigada

6 pessoas



Para o bacalhau

800 g de bacalhau

200 ml de azeite de oliva extravirgem

150 g de cebola à juliana

4 dentes de alho picados

20 g de salsinha

5 filés de anchova em azeite

300 ml de leite fervido

30 g de farinha de trigo

60 g de queijo parmesão ralado

noz-moscada

Para a polenta

500 ml de água

100 ml de leite

150 g de farinha de milho para polenta

40 g de manteiga

50 g de queijo parmesão ralado

sal e pimenta-do-reino

Retire as espinhas do bacalhau e corte em pedaços. Aqueça o azeite e refogue a cebola e o alho em fogo baixo. Retire a cebola da panela e acrescente o bacalhau bem temperado com sal e pimenta à panela. Por cima, disponha a cebola, a salsinha picada com a anchova e a noz-moscada e leve ao fogo baixo. Quando começar a ferver, junte o leite até que cubra o bacalhau e deixe cozinhar em fogo baixo por 20 minutos. Por cima, disponha a farinha de trigo e o queijo parmesão ralado e deixe cozinhar por mais 10 minutos.

Polenta

Ferva a água com o leite e o sal, junte a farinha de milho aos poucos, mexendo sempre, e cozinhe por 10 minutos em fogo baixo, misturando sempre. Retire do fogo e junte a manteiga e o queijo parmesão ralado, mexendo vigorosamente.

Montagem

Coloque a polenta no centro de pratos individuais e, por cima, o bacalhau, regando com o próprio molho.




Camarão Defumado com Salada de Funcho, Laranja e Azeitona Preta

4 pessoas



Para o camarão

1 kg de camarão grande

12 g de tomilho

20 g de alecrim

10 g de pimenta-do-reino em grão

10 g de coentro em grão

80 g de açúcar

300 g de sal grosso

30 g de chá Black China

120 g de arroz parboilizado

Para a marinada

100 ml de azeite de oliva extravirgem

manjerona

orégano

tomilho

Para a salada

200 g de funcho

30 ml de suco de limão

80 ml de de azeite de oliva extravirgem

120 g de azeitonas pretas

200 g de laranja

sal e pimenta-do-reino

CAMARÃO

Forre o fiando de uma panela bem alta coca várias camadas de papel alumínio. Coloque o tomilho, o alecrim, a pimenta em grão, o coentro, o açúcar, o sal grosso, o chá preto e o arroz. Coloque uma grelha sobre a panela, disponha os camarões e cubra com papel-alumínio, de maneira que os camarões fiquem bem cobertos e que o papel-alumínio também envolva a parte superior da panela. Leve ao fogo alto até começar a produzir fumaça. Abaixe o fogo e cozinhe por S a 8 minutos. Retire a panela do fogo e deixe esfriar. Coloque os camarões na mistura de azeite com ervas e descarte os demais ingredientes.

SALADA

Corte o funcho em fatias bem finas. Tempere com sal, pimenta, suco de limão e azeite. Corte as azeitonas em lascas e a laranja em gomos.

MONTAGEM

Coloque o funcho no centro de pratos individuais Disponha os camarões sem volta e decore com a laranja e as azeitonas. Regue com o azeite da marinada.





Filé de Garoupa à Carlina com Nhoque Tirolesi ao Curry

4 pessoas



120 g de alcaparra

120 g de pepino em conserva

800 g de filé de garoupa

40 ml de azeite de oliva extravirgem

40 ml de conhaque

320 ml de caldo de peixe

20 ml de suco de limão

15 g de molho inglês

120 g de manteiga

200 g de molho de tomate

5 g de salsinha picada

20 g de sal

pimenta-do-reino

Para acompanhar

320 g de nhoque tirolês (receita p. 129)

Escorra e pique a alcaparra e o pepino. Corte o filé de garoupa em losangos e tempere com sal e pimenta. Frite rapidamente numa frigideira com o azeite quente. Retire o peixe da frigideira, regue-a com o conhaque e flambe. Acrescente o caldo de peixe, o suco de limão, o molho inglês e a manteiga. Deixe reduzir até obter um molho encorpado.

Coloque o peixe numa frigideira, cubra com a mistura de alcaparra e pepino, disponha por cima o molho de tomate e acrescente o molho reduzido. Leve ao fogo novamente por 5 minutos para que o molho se incorpore ao peixe, e espalhe por cima a salsinha.

Montagem

Disponha o nhoque em pratos individuais e, ao lado, cobrindo um pouco o nhoque, o peixe com o molho.





Lombo de Cordeiro em Crosta de Ervas

4 pessoas




Para a carne

480 g de lombo de cordeiro

30 ml de azeite de oliva extravirgem

60 g de mostarda de Dijon

15 g de manteiga para untar o tabuleiro

sal e pimenta-do-reino

Para a crosta

120 g de pão de forma

15 g de tomilho bem picado

15 g de alecrim bem picado

15 g de salsinha bem picada

15 g de manjericão bem picado

10 g de orégano fresco bem picado

10 g de manjerona bem picada

20 g de queijo parmesão ralado

80 ml de azeite de oliva extravirgem

sal e pimenta-do-reino

Para o molho

150 ml de vinho branco

50 g de cebola

1 folha de louro

1 g de pimenta-do-reino em grão

10 g de cogumelo porcini seco reidratado em água ou fresco

150 ml de demi-glace de cordeiro

60 g de manteiga

Para a massa

160 g de talharim branco

60 g de manteiga

sal e pimenta-do-reino

Crosta

Bata o pão de fôrma sem casca no processador. Acrescente as ervas, o queijo parmesão e o azeite, misture bem e tempere com sal e pimenta. Reserve.

Carne

Tempere o lombo com sal e pimenta e frite no azeite por cerca de I minuto de cada lado. Pincele com mostarda e, em volta, coloque a crosta, apertando para aderir bem. Coloque num tabuleiro pincelado com manteiga e leve ao forno alto (220ºC), até que a crosta fique bem dourada, cerca de 6 a 7 minutos.

Molho

Coloque numa panela o vinho, a cebola, o louro, a pimenta e o cogumelo. Leve ao fogo e deixe reduzir pela metade. Acrescente o demi-glace e deixe reduzir um pouco mais. Coe, junte a manteiga, misture e tempere com sal e pimenta.

Massa

Cozinhe a massa em água fervente salgada e escorra, reservando a água do cozimento. Junte a manteiga e 2 a 3 colheres (sopa) da água do cozimento e misture bem. Tempere com sal e pimenta.

Montagem

Disponha o lombo sobre o talharim e regue um dos lados com o molho.





Nhoque à Romana com Lagostae Molho de Crustáceo



Para a lagosta

400 g de cauda de lagosta

sal e pimenta-do-reino

Para o nhoque

litro de leite

50 g de manteiga

230 g de semolina

100 g de gema

50 g de queijo parmesão ralado

100 g de manteiga clarificada

80 g de queijo parmesão ralado

noz-moscada

sal e pimenta-do-reino

Para servir

200 g de molho de crustáceos

40 g de manteiga

60 g de molho de tomate

4 folhas de manjericão

Lagosta

Corte a lagosta crua em medalhões e tempere com sal e pimenta. Reserve.

Nhoque

Numa panela grande, ferva o leite com a manteiga, o sal, a pimenta e a noz-moscada. Acrescente a semolina, mexendo com um batedor de arame, e deixe cozinhar por 15 minutos com a panela tampada, mexendo de vez em quando. Retire do fogo, acrescente as gemas e o queijo parmesão, misture bem e despeje a massa sobre uma superfície untada com azeite. Deixe esfriar. Corte com um cortador redondo de 5 cm de diâmetro (o que sobrar pode ser misturado novamente e cortado). Coloque o nhoque num tabuleiro untado com manteiga, alternando cada nhoque com um medalhão de lagosta. Pincele com a manteiga clarificada e, por cima, espalhe o queijo parmesão. Gratine no forno até ficar bem dourado.

Montagem

Coloque o nhoque no centro de pratos individuais e, em volta, disponha o molho de crustáceo. Engrosse o molho de tomate com a manteiga, coloque sobre o nhoque e decore com a folha de manjericão.





Risotto de Lagosta com Abóbora

4 pessoas





Para a abóbora

60 g de cebola picada

40 ml de azeite de oliva extravirgem

400 g de abóbora em cubos de 2 cm de lado

sal e pimenta-do-reino

Para o risotto

40 g de manteiga

60 g de cebola picada

1 dente de alho

320 g de arroz vialone nano

1 litro de caldo de peixe

240 g de cauda de lagosta

40 ml de azeite de oliva extravirgem

60 g de queijo parmesão ralado

sal e pimenta-do-reino

Abóbora

Refogue a cebola com o azeite. Adicione a abóbora e tempere com sal e pimenta. Cozinhe em fogo brando com a panela tampada, até que a abóbora esteja macia.

Risotto

Numa panela de fundo largo, aqueça a manteiga e refogue a cebola e o alho até a cebola ficar transparente. Junte o arroz, sem lavar, e misture sempre corra colher de pau até aquecer bem. Regue com 1 concha de caldo e deixe secar. Junte o caldo fervente, uma concha de cada vez, mexendo sempre até o arroz absorver quase todo o caldo. Repita esse processo por 16 a 18 minutos e, na metade do cozimento, adicione a abóbora. A mistura deve ficar cremosa, e o arroz, al dente.

Quando faltarem 3 minutos para o término desse tempo, adicione a lagosta e termine o cozimento. Retire do fogo e acrescente o azeite e o queijo parmesão, misturando vigorosamente até ficar cremoso. Corrija o sal e a pimenta. Coloque o risotto em pratos individuais e sirva.




Tiramisú Tradicional Veneziano do Cipriani

10 pessoas




150 g de gema

225 g de açúcar de confeiteiro

500 g de mascarpone

20 biscoitos champagne

200 ml de café pronto

40 ml de rum

600 g de calda de baunilha

100 g de calda de chocolate para decorar

60 g de cacau em pó para polvilhar

Para decorar

10 gôndolas de chocolate

Bata as gemas com o açúcar de confeiteiro até engrossar e tornar cor clara. Acrescente o mascarpone e bata por mais 2 a 3 minutos, até obter uma mistura bem homogênea. Umedeça o biscoito champagne no café misturado com o rum e coloque no fundo de copos polvilhados com cacau.

Faça urna camada pequena de creme de mascarpone, cubra com outra camada de biscoito umedecido na mistura de café e rum e termine com uma camada de creme. Leve à geladeira por no mínimo 6 horas antes de servir.

Disponha a calda de baunilha no fundo de pratos individuais e decore com gotas da calda de chocolate. Desenforme o tiramisù, polvilhe com cacau em pó e disponha no centro do prato. Por cima, coloque a gôndola de chocolate e sirva.

Gôndolas

Derreta o chocolate em banho-maria, coloque num saco de confeitar e, sobre uma folha de papel-manteiga, desenhe o contorno de pequenas gôndolas e deixe o chocolate endurecer. Depois preencha os vãos que ficaram no desenho e deixe endurecer novamente.























4.26.2016

TÉCNICAS E FINALIZAÇÕES DE PRATOS

Ola amigos e amigas, estudantes e amantes da boa Gastronomia, todos sabemos que o primeiro momento que estamos sentados em um restaurante a espera e a expectativa do prato é enorme, pois sabemos que comemos primeiro com os olhos....e nada melhor do que um prato bem finalizado e que salta aos olhos e aguça a vontade de degusta-lo.
Mas todos nós sabemos como montar um prato? Finaliza-lo? Existe regras? Quantidade?
Devido a falta de informação sobre o assunto inclusive na propria internet como livros fui atras de algumas informações na propria internet em sites especializados e mesmo assim foi pouca informação, e assim surgiu a ideia de fazer este post com algum material do qual consegui garimpar na rede junto com livros e inofrmações tecnicas proprias, espero que de uma luz para todos aqueles que gostam de uma boa gastronomia e faz questão de servir um prato bem empratado e finalizado.

Apresentação de Pratos








Comemos com os olhos, devorando cores e texturas, antecipando os sabores que virão a seguir. O prazer de sentar-se para uma refeição, seja com a familia ou com amigos, é um dos melhores momentos e um dos melhores rituais da vida: momento de pausa, de satisfação dos sentidos. É o momento dos chefes e cozinheiros seduzir e provocar ou seja de “ aparecer”, antes de oferecer aos convidados a grande recompensa ou seja um prato extraordinário.

Mas por que a apresentação dos pratos é importante?

Porque estimula o convidado a esquecer seus problemas e deixar para tras os aborrecimentos do dia, a alegrar-se e a provar, relaxar e desfrutar. Diante de um prato de mingau cinzento e empapado a tendencia de qualquer um é de sequer provar. A cor é intragável e somos, afinal de contas, instintivamente condicionados por nossos sentidos a comer apenas o que nos parece bom pois é seguro, saudavel e atoxico. Alem disso é um prato completamente insosso, desprovido de uma textura mais crocante. Os alimentos devem aguçar nossos sentidos, chamando-nos para um banquete e nos seduzindo a devora-los.

Boa apresentação é um ótimo marketing! Criatividade e habilidade na cozinha devem ser refletidas na apresentação dos pratos. São três variáveis que tem relação direta com a apresentação dos pratos. A primeira é claro, é a preparação apropriada dos alimentos, que é o único elemento controlado pelo chef, diretamente relacionado com sua habilidade, e portanto o mais importante. Se os alimentos não são preparados corretamente, não haverá como fazer uma boa apresentação. O segundo elemento são os equipamentos, que é o elemento menos importante mas pode ajudar a tornar a apresentação satisfatória. O terceiro e final elemento é o prato escolhido para a montagem, que vai emoldurar a produção do chef, e é relativamente controlado por ele.

1 – Os Alimentos

Seleção de ingredientes

Quando se começa a pensar sobre o que vamos preparar a primeira coisa que se tem que decidir são os ingredientes. Quais ingredientes vão juntos? Quanto quero e posso gastar? O que posso ter dos fornecedores? O que tenho em estoque? Faça uma estimativa da quantidade de alimento por pessoa, uma boa indicação é de 115 gr a 170 gr de proteina (preparada), 55 gr a 110 gr de amido (massas, arroz, etc), 55 a 110 gr de vegetais, 30 a 50 gr de molho, e um acompanhamento funcional de for necessário. Quando for fazer a montagem do prato, leve em conta estas quantidades de alimentos e o tamanho do prato. Tenha sempre uma balança se houver dúvida.

Proteínas

Tendo os ingredientes, decida que método de cocção deve ser usado, que será muito importante na apresentação final do prato. A proteina é o principal elemento, deve ser então preparado com cuidado para que a apresentação seja perfeita. O salmão deve estar com sua cor rosa, as carnes com aquela crosta marrom característica, peixes bvrancos devem estar brancos, etc.

Vegetais

Primeiramente pense nos pratos que que passarão por algum processo de cocção, ou a salada verde básica, que são os verdes orgânicos e algum molho. São dois elementos que devemos sempre lembrar quando fazemos uma salada verde, tem que ter um aspecto bonito e temperada corretamente. Não importa se o molho seja cremoso ou simplesmente vinagrete, mas certifique que todas as folhas salada estejam revestidas com o molho. Quando montar as saladas, coloque os vegetais seção por seção, colocando as folhas uma sobre as outras em vez de colocar uma só massa sobre o prato.

Quando cozinhar os legumes, se deve tomar cuidado com uma característica que não ocorre com as proteinas, alguns pigmentos dos vegetais são sensitivos ao calor. A clorofila, o pigmento encontrado em vegetais verdes é sensitivo ao calor, enquanto o pigmento vermelho anthocaynin e o pigmento laranja das cenouras o carotenoide não sãol. Isto é importante na cocção dos vegetais, já que a alteração de cor dos pigmentos pode alteara drasticamente a aparência do prato.

Uma vez que você tenha todos os ingredientes cozidos e prontos, o trabalho está apenas começando. A principal coisa que você não quer ver são os líquidos drenados dos alimentos. A carne que não foi descansada* apropriadamente ou vegetais que depois de cozidos não foram secos ou drenados poderão arruinar toda sua produção. Vegetais que são cozidos excessivamente também poderão absorver líquido que irá drenar no prato.

*Após retirar a carne da frigideira ou da grelha, manter em ambiente aquecido por pelo menos 10 minutos para que a fibras relaxem e reabsorvam os fluidos.

O princípio básico da decoração de pratos é a busca da harmonia entre os elementos que irão compor o prato, ou seja, como devem ser distribuídos para que o prato possa ser comparado a uma obra de arte

A busca por conhecimentos e técnicas referentes à montagem e decoração de pratos é essencial para tornar o prato ainda mais atrativo. Mas, por que isso é importante? Uma resposta simples e objetiva seria: para deixar o prato mais bonito. Mas, por que deixá-lo mais bonito? Instintivamente, selecionamos o que vamos comer pela aparência e pelo aspecto; o que é bonito e atrativo aos olhos nos parece mais saboroso, e, portanto, mais apetitoso.
Não podemos nos esquecer de que o momento das refeições é um momento de prazer e de relaxamento. Se o ambiente for agradável, a comida saborosa e de boa qualidade, e o prato bem montado e decorado, os nossos sentidos certamente serão aguçados e ficaremos tomados pelo desejo irresistível de saborear o prato.

Como decorar um prato?

A decoração de um prato depende muito do bom gosto do seu decorador; ela traduz o sentimento do chef, as sensações que ele espera causar nas pessoas diante do prato. É semelhante à pintura de um  quadro, quando o artista usa tela, tinta e pincel para retratar suas  emoções e pensamentos.
A decoração de um prato é algo muito parecido, pois o prato decorado deverá transmitir os sentimentos do chef e causar sensações agradáveis para aqueles que irão degustá-lo. Portanto, não  existem receitas prontas para serem seguidas. Mas existem regras básicas que são aplicadas visando obter equilíbrio e combinações perfeitas de cores, volumes e textura dos  alimentos: são as regras de apresentação de pratos.

Noções básicas de enquadramento e equilíbrio

O princípio básico da decoração de pratos é a busca da harmonia entre os elementos que irão compor o prato. Tais elementos devem ser distribuídos de tal forma que o prato possa ser comparado a uma aquarela ou a uma pintura em tela. Que elementos são esses? São as porções dos alimentos que constituem a parte principal, os molhos e mais alguns elementos que poderão fazer parte da decoração do prato.

Vale ressaltar que esses elementos devem ser comestíveis, não somente eles, mas tudo o que for utilizado no prato deve ser comestível, como alguns elementos puramente decorativos. Entretanto, tais elementos são dispostos no prato seguindo algumas técnicas de enquadramento e equilíbrio.
Um enquadramento pode ser considerado correto, quando os elementos que irão compor o quadro se encontram distribuídos de forma organizada e harmônica, de tal maneira que se obtém um equilíbrio na ocupação do espaço disponível para a montagem. Esse espaço, em nosso caso, é o prato que será utilizado para receber os alimentos.

O que se deve buscar é a obtenção de algo que agrade aos olhos. Um conjunto de formas, cores e texturas diferentes que sejam capazes de impressionar. Lembre-se de que o objetivo é apresentar os alimentos de uma forma que seja capaz de aguçar o desejo de consumi-los. Mas ao mesmo tempo, isso deve ser feito de maneira artística, com base em critérios técnicos e bom-senso.
Tanto na fotografia como na arte da pintura, a regra dos terços é colocada em prática para definir o enquadramento dos elementos. Na decoração de pratos, a técnica da regra dos terços pode e deve ser utilizada, visando à obtenção de uma distribuição harmônica entre elementos.

Mas, afinal, o que é a regra dos terços?

Como explicado no filme, a regra dos terços é utilizada para distribuir os elementos de forma harmônica e equilibrada, seguindo critérios técnicos. Ela consiste em subdividir, de forma imaginária, a área onde os elementos serão representados, em nove partes iguais. Para isso, utilizamos quatro linhas retas, duas horizontais e duas verticais. Cada parte corresponderá a uma subárea e todas as nove subáreas formadas pelas interseções das linhas serão idênticas. Entretanto, para que isso aconteça, cada dimensão da área precisa ser subdividida em três partes iguais.

A pergunta a ser respondida agora é: como aplicar a regra dos terços em pratos com formatos circulares ou ovais?

De fato, essa é uma pergunta muito interessante, uma vez que a regra dos terços considera a área de trabalho com formato retangular ou quadrado. No entanto, isso não inviabiliza a sua utilização em áreas de formatos diferentes, como é o caso de pratos circulares e ovais. Quando se tratar de prato redondo, basta você imaginar que ele se encontra inscrito em outra área de formato quadrado.

Assim, a regra dos terços poderá ser normalmente aplicada da mesma forma descrita anteriormente. Já se o prato tiver formato oval, a consideração a ser feita é imaginá-lo inscrito em uma área retangular. Dessa forma, torna-se possível aplicar a regra dos terços em pratos de qualquer formato ou tamanho.

O que se busca alcançar com a aplicação da regra dos terços na montagem e decoração de pratos é o equilíbrio visual. Mas cuidado! É preciso muita atenção e bom senso na aplicação desses conhecimentos de enquadramento, de forma a obter equilíbrio visual. Para proporcionar ao observador percorrer toda a região do prato com os olhos é preciso garantir uma distribuição adequada dos elementos para que a decoração fique equilibrada.

1ª SITUAÇÃO: ELEMENTO COLOCADO NO CENTRO DO PRATO

Nesse caso, a borda do prato ganhará destaque, e a visão geral do conjunto ficará desequilibrada devido a uma grande borda do prato em relação a uma diminuta área ocupada pelos alimentos. Para isso, a porção de alimento deverá ser posicionada no centro do prato.

2ª SITUAÇÃO: ELEMENTO COLOCADO EM UMA DAS LATERAIS DO PRATO

Nesse caso, o observador tem a impressão de que o prato irá “empinar” com o peso visual do alimento colocado no prato, em uma região deslocada do centro, pois a porção de alimento é posicionada em uma das laterais do prato.

3ª SITUAÇÃO: ELEMENTO COLOCADO EM UM DOS CANTOS DO PRATO, NA SUA DIAGONAL

Nesse caso, ao observarmos o prato montado, teremos a sensação de que ele irá “empinar”, abaixando o canto onde estão os alimentos e erguendo o canto diagonalmente oposto. Para isso, uma pequena porção de alimento deverá ser posicionada em um dos cantos do prato, sobre sua diagonal.

Montando o prato.

O primeiro passo é assegurar que os alimentos sejam preparados devidamente, se houver uma ficha técnica para a receita, isto já ajuda muito na padronização de qualidade. Texturas e cores devem estar corretas. Passe os vegetais em água gelada para que tenham uma cor vibrante. Antes de iniciar a montagem verifique se os prtaos estão prontos e limpos. Finalmente, após completar o processo de cocção de todos alimentos, você está pronto para a montagem dos pratos. O balanço entre os elementos é a chave para qualquer prato, não importa sua forma ou tamanho. O primeiro ponto a se considerar é a porção e balanço dos alimentos e o prato.

Este diagrama é usado em escolas de fotografia que é chamada de regra dos terços. Os olhos do espectador se dirigem diretamente aos pontos de intersecções das linhas. da figura, que são os pontos de intersecção das diagonais (pontos focais). A função deste diagrama é lembrar aos fotógrafos que estes pontos devem estar equilibrados, colocando imagens nestes pontos e dando suficiente espaço entre a imagem de foco da foto. Além disso, os olhos percorrem as imagens em uma diagonal de A para B, O mesmo princípio se aplica aos alimentos, pois o alimento é o foco da cena, que em nosso caso é o prato. Esta teoria pode ser dificil de explicar com pratos redondos, pois não há diagonais nas formas redondas. Se o prato for quadrado ou oval, a visualização é mais fácil.


Assim os alimentos devem ser colocados os mais baixos e menores em A e os mais altos e maiores em B. O mais comum de montagem em pratos redondos é a formatação que lembra um alvo, com a proteina bem no centro, uma segunda faixa com acompanhamento e a terceira com o molho. Este pode ser um problema em comum para cozinheiros iniciantes e experientes, com a montagem sempre parecendo este alvo, como criar uma apresentação em prato redondo sem cair no óbvio?




Para fugir um pouco desta construção tipo alvo a sugestão também clássica e bem simples mas com melhor efeito visual é a de relógio: O amido em 10:00 horas, vegetais em 6:00 horas e a proteina em 2:00 horas. Crie também um ponto focal em sua montagem, além disso, um conceito de contrastes geométricos resultará em uma boa apresentação.






 





Procure criar uma montagem multidimensional aos pratos, adicionando alguma altura à sua preparação. Quando montar os pratos é imprescindível que se deixe o que se chama de espaço morto, que é a área da borda que deve ser mantida limpa. Pratos grandes são os preferidos para montagem.

Outra idéia para montagem dos pratos seria o conceito de descontrução, em vez de colocar todos elementos próximos uns dos outros, se coloca os ingredientes em colunas separadas, cada uma atuando com sues próprios sabores, porém completando-se em um plano geral.





Desconstrução do Laurent Herver Segundo este conceito, é importante que haja variação de cortes e formas o máximo possível para não apresentar um prato tedioso e sem vibração. Faça por exemplo a proteína cortada como um quadrilátero alongado, a cebola redonda, alcachofra como uma pirâmide, e um purê na forma de tadpole. Outra excelente opção de montagem passa pela idéias dos vanguardistas espanhóis com o uso de espumas, ares e gelatinas (link aqui para o artigo). Um molho pode se transformar de um visual em duas dimensões, chapado no prato em um corpo em três dimensões em movimento. A grande vantagem de se utilizar estes métodos é que não se introduz um novo sabor à preparação, como no caso de usar ovos para espessar algum molho por exemplo. Pratos coloridos são difíceis de trabalhar e compor a montagem. O alimento tem a visualização realçada se o cliente não tiver a atenção desviada com a cor do prato. Pratos pretos é a única exceção, mas deve ser usado com parcimônia, já que muitas preparações são caramelizadas e o prato escuro vai tirar o brilho desta preparação.

Quanto a forma dos pratos, para fugir um pouco da mesmice se pode usar pratos quadrados, que são mais fáceis para criar um equilíbrio na montagem, dando uma sensação maior de continuidade. Existem duas correntes de opiniões sobre a decoração das bordas dos pratos. A clássica que diz que as bordas devem estar livres de decoração ou dos alimentos e outra que diz que as bordas devem ser usadas para criatividade,  acrescentando mais sabores e cores à preparação. Como por exemplo uma sobremesa que se pode decorar as bordas com chocolate em pó ou açúcar de confeiteiro, ou um prato de salmão decorado com coulis de pimentão vermelho, aplicado com bisnaga.

Na finalização e apresentação de pratos devemos ficar sempre atentos para algumas regrinhas basicas.

Equilibrio
Unidade
Ponto Focal
Fluxo

O Equlibrio é o conceito que engloba muitos fatores na apresentação de um prato. Deve ter uma apresentação equilibrada através da seleção dos alimentos e temperos complementares. A apresentação do prato deve ainda envolver metodos de cocção diferentes porem complementares. Na seleção dos alimentos deve haver um equilibrio entre os tipos de preparações simples e complexas, por exemplo, um escalopinho salteado ( simples ) com um risoto milanes ( complexo).
As cores tambem são muito importantes, principalmente na apresentação de um prato, a cor reforça o frescor, a qualidade e a cocção adequada. Crie uma variedade de cores porem não crie um efeito “ circense”. Em geral os alimentos que combinem em sabor, naturalmente se harmonizam em cores, exemplo é a Salada Caprese.

A cor natural da destaque a tecnica de cocção utilizada:

Assados caramelizados
Saute uniformemente marrom
Vapor cores frescas e vibrantes

Evite a repetição de metodos de cocção em um mesmo prato, porem deverão ser compativeis. Tecnicas variadas de cocção naturalmente dão origem a texturas variadas, por exemplo, peixe frito com vegetais cozidos. Evite tambem o uso de formas semelhantes no mesmo prato, use pures, pudins, frituras ou assados de modo a produzir texturas diferentes, porem evite a combinação de muitas texturas parecidas.
As texturas básicas com as quais se deve trabalhar são:

SUAVE
ASPERA
SÓLIDA
MACIA

Não utilize as mesmas ervas ou condimentos para dar sabores aos itens do prato. Evite por exemplo alho e cebolinha em todas as produções de um prato. Os sabores devem se complementar por exemplo:



Defumado com doce
Doce com azedo
Rico com magro
Condimentado com suave

As entradas e os acompanhamentos devem ser compativeis e complementares.

UNIDADE

Ja que a elegancia é muitas vezes decorrencia direta da simplicidade, quando menos áreas de foco houver na praparação do prato, o layout deve ter uma unidade de coesão.
A sensação deve ser a de estar apresentando uma deliciosa combinação de alimentos que se integram e não a de componentes que por acaso estão no mesmo prato.



Na figura A, os componentes estão distribuidos por todo o prato. O prato está todo cheio, mas a apresentação não esta unificada.
Na figura B, os componentes estão juntos para enfatizar o que esta sendo apresentado, é um conjunto unico de alimentos que combinam entre si.

Ponto Focal

O layout do prato deve exibir um ponto focal um ponto ou area para qual os olhos convergem naturalmente. A apresentação e a localização deste ponto focal depende muito da colocação e da relação dos diversos componentes do prato.



Na figura A, devido a um arranjo casual e até descuidado, não há um ponto focal definido. A figura B e C ilustram os mesmos componentes do prato, distribuidos de tal forma que dão origem a um ponto focal definido.

FLUXO

Se fatores citados anteriormente como equilibrio, unidade e ponto focal forem trabalhados adequadamente, pode-se desenvolver um sentido ideal ou fluxo no prato.
Quando a apresentação do prato ou travessa não é unificada, é impossivel formar-se um caminho logico para os olhos seguirem, portanto não há um fluxo logico a seguir. Alem disso se a apresentação não for unificada não existira um ponto focal forte que é o ponto de partida necessario do qual o fluxo deve emanar.

FACES, SEQUENCIA E DECORAÇÃO

FACES

Ao se fatiar um assado uma terrine ou qualquer peça grande, devemos nos preocupar em colocar a face principal para cima. Isso assegura que qualquer padrão na face da peça inteira estara colocado de modo igual na face da fatia apresentada no prato.



Na figura A, cada fatia estara colocada com a face externa para cima. Se a fatia estiver colocada com a face externa para baixo, como na figura B, haverá uma inversão do padrão na fatia como mostra a figura C.

Sequencia

Ao se fatiar uma terrine ou outro item que deve ser fatiado antes de servir, deve-se dispor em fileiras com a mesma ordem em que foram fatiadas. A diminuição gradual de um peixe, por exemplo, muitas vezes estabelece um padrão palpavel e que pode ser facilmente interrompido por uma falha ou a colocação de uma fatia em lugar errado ou invertida.

















Decoração

Como decoração de um prato podemos dizer que uma decoração não funcional é qualquer item comestivel ou não que não contribui para o sabor e a textura de um prato. Uma boa maneira de se evitar o uso de uma decoração não funcional é se fazer a pergunta:

Qual propósito disso???

Se a resposta for simplesmente “ Da cor”, muito provavelmente voce estara usando uma decoração não funcional.
Exemplos de decorações não funcional:

Gomo ou casca de limão em pratos com molhos
Gomo ou fatia de citricos em pratos com ovos mexidos, fritos, poches etc.
Cestinhas feitas de laranja.
Folhas de alface com cama de comida quente.
Franjas e arranjos com papel aluminio.

Apresentação dos pratos:

Itens: A escolha dos itens sera baseada na praticidade, na epoca do ano, no tamanho da porção no numero de itens no prato e se o prato é tradicional ou não.

Sabor: Este é o fator mais importante, com sabores frescos e compativeis a apresentação do prato sera realçada naturalmente.

Cor: Use uma combinação de tons de terra com cores naturalmente vibrantes. Em geral sabores compativeis criam uma excitante combinação de core.

Textura: Consegue-se uma variedade de texturas através de metodos de cocção diversificados e de bons cortes de legumes.

Altura: Use a forma natural dos alimentos para conseguir alturas variadas mas não extremas. Dessa forma voce conseguira um bom fluxo.

Forma: Evite formas não naturais, isso pode ser conseguido através do uso de uma combinação de alimentos fatiados, enformados soltos ou inteiros.

Linhas Fortes

É importante que se compreenda e se desenvolva linhas fortes e claras para que a apresentação de um prato tenha sucesso. Uma linha forte nos da uma forte sensação de direção como mostra a figura abaixo:



A fileira A é considerada a mais forte, estabelece uma direção forte e definida. As fileiras B e D, embora compostas por curvas diferentes, ainda indicam uma direção geral de movimento. As fileiras C, E e F não mostram nem consistencia e nem uma direção definida. São exemplos de fileiras fracas.

Os desenhos abaixo nos mostram fileiras naturais fortes e fracas.







As fileiras do desenho A são fortes e evocam um sentido frescor, força, estrutura e direção, ao passo que as fileiras do desenho B, são fracas e indicam idade, decadencia, estrutura fraca e falta de direção definida.
Linhas fortes e claras ganham realce com formas, cocção, fatias, posição das faces e sequencias adequadas.



Algumas informações que ajudam na finalização de pratos:

- Ervas frescas e brotos (de cenoura, beterraba, feijão etc) sempre dão frescor ao prato. Tomilho e alecrim vão bem com carnes; cerefólio e ciboulette, com peixes.

- Salsinha dá acabamento a qualquer prato e combina com quase tudo. Pique as folhas como se fosse preparar couve para feijoada -- outras ervas, exceto a cebolinha, devem ser servidas no cabinho.

- Para fazer riscos ou gotas no pratos, utilize bisnagas hospitalares ou de catchup. Os desenhos podem ser feitos com molhos mais grossos, reduções de vinho ou de vinagre balsâmico, por exemplo.

- Para ganhar volume no prato, as folhas da salada devem ser rasgadas com a mão, depois de os talos serem retirados.

- Para fazer quenelles, use sempre alimentos com consistência de geleia ou de textura mais firme.

- Flores comestíveis e hortelã fresca ficam gostosas e lindas na sobremesa.

- Limpe sempre, com papel toalha, as laterias do prato depois de montá-lo.

- A farofa doce embaixo do sorvete evita que ele deslize na louça.

- Acompanhamentos, como arroz ou farofa, podem ficar em um pequeno pote no prato de serviço ou  dentro de legumes assados.

- Para servir o arroz enformado, use um aro e pressione-o com uma colher. Ou ponha os grãos em uma cumbuca, aperte um pouco e vire dentro da louça.

- Presunto cru e queijo parmesão vão bem na finalização de pratos e devem ser laminado finos.

- Observe a possibilidade de receitas diferentes para alimentos iguais, variando o tipo de corte e o método de cocção;

- Evite uma sequência com alimentos na mesma característica como, por exemplo, utilizar somente alimentos cozidos ou assados;

- Evite também a repetição de alimentos iguais nos pratos;

- Varie os sabores e contrastes com iguarias doces, salgadas, picantes e ácidas;

- Evite pratos monocromáticos e a repetição de cores;

- Observe as texturas dos alimentos que compõem os pratos.






A ESCOLHA DO PRATO

Decidir a forma de apresentar os alimentos pode ser bastante complicado se voce não estiver acostumado a deixa-los visualmente atraentes, mas antes de começar a decoração é preciso escolher onde irá cria-la. Você não vai querer arruinar todo o seu trabalho escolhendo um prato ou recipiente inadequado.

Uma regra valiosa é manter a simplicidade, o prato escolhido deve estar em harmonia com o alimento servido, e não competindo com ele ou depreciando-o.
Escolha pratos modernos e brancos ou de cores bem claras evite tons cinzentos. Pratos de cores muito intensas são mais dificeis de montar e podem entrar em conflito com alguns tipos de alimentos ou faze-los parecer menos apetitosos. Se quiser adicionar alguma cor, considere a utilização do sousplat para realçar o esquema de cores de toda a arrumação da mesa.

PRATO REDONDO RASO

Quanto maior, melhor, mas não em demasia, a menos que sua mesa de jantar tenha bastante espaço ( nunca os convidados devem ficar apertados). Um prato raso grande vai emoldurar o alimento e oferecer o espaço necessario para a apresentação. Suas bordas tambem podem ser usadas para dispor alguns alimentos para decoração.

PRATO FUNDO OU TIGELA

Escolha-os com cuidado. Um prato fundo sem bordas ou uma tigela podem servir para diversos tipos de alimentos - Massas, Macarrões, Sopas e Saladas.
Pratos com bordas não combinam muito bem com comida a base de carboidratos. Utilize tigelas pequenas para molhos dip ou acompanhamentos na mesa.







SERVIÇO NA PRÓPRIA PANELA

Escolha a panela que será usada, as de aluminio claro tem melhor aparencia, certifique-se apenas de apoia-la sobre uma trampe ou um suporte de madeira ou pedra para evitar danos. Se preferir porções individuais como esta, deixe algumas panelas pequenas quentes e preparadas para receber os alimentos antes de servir.





FOLHAS DE BANANEIRA, CONES E COPOS DE PAPEL

Folhas de bananeira são simples e oferecem visual exótico e com estilo. Copos de papel são otimos recipientes descartaveis para servir certas receitas, em especial sobremesas, alem de serem muito uteis no caso de festas, pois economizam tempo na hora da limpeza.






PRATO RETANGULAR OU OVAL

Pratos retangulares ou ovais expoem com perfeição as apresentações simples, em especial as sobremesas. Enfeite-os com talheres delicados, um pouco de molho ou creme em um recipiente ao lado, ou até mesmo uma pequena taça de licor. Estas tecnicas de decoração certamente impressionarão seus convidados.





VIDROS E CRISTAIS

Copos grandes ou recipientes diferenciados de vidro são eficientes na apresentação de vários tipos de prato. Eles funcionam muito bem no caso de alimentos em camadas de cores variadas e para arranjos sobrepostos.





TÁBUA SIMPLES

Nunca é demais ter várias tábuas diferentes tamanhos. A cor é uma escolha pessoal e em geral combina com o esquema de cores dos itens usados no arranjo da mesa. Somos favoráveis ao uso da madeira crua que fica bem com alimentos verdes e amarelos ou carnes grelhadas servidas em pães finos. Pequenas tábuas para corte tambem podem ser excelentes jogos americanos, especialmente para um prato que tenha duas tigelas pequenas, uma de arroz e outra com refogado por exemplo.






XICARAS

Adequadas principalmente para aperitivos ou sobremesas, em especial se um alimento de sabor intenso for servido em pequena quantidade. Enfeite com delicadas colheres de chá.
Utilizada muitas vezes para sopas e cremes quentes, sirva tambem com croutons.





TIGELAS DE GELO

Tigelas de gelo são uma excelente forma de servir alimentos frios e deixa sua mesa incrivelmente charmosa.
Crie tigelas decoradas com flores comestiveis, ervas ou frutas fatiadas. Para se fazer uma tigela de gelo são necessarias duas tigelas de vidro ou inox, uma deve caber dentro da outra deixando 2,5cm entre elas. Espalhe as flores, ervas ou frutas na tigela maior e posicione a menor dentro dela, prenda-as com uma fita adesiva para que fiquem da mesma altura. Despeje agua no espaço entre as tigelas até atingir 1cm da borda. Adicione mais itens de decoração escolhida e organize-os com um palito longo ou algo do tipo, depois leve ao freezer e deixe por uma noite. Coloque as tigelas sobre papel toalha e deixa-as em temperatura ambiente até que possa separa-las com facilidade. Retire a fita adesiva, levante a tigela de dentro e vire a outra para desenformar. Mantenha no frezzer até a hora de servir. Se for servir alimentos qie precisam estar secos deixe um recipiente de vidro antes de leva-los a tigela de gelo.
Para manter mais tempo coloque gelo em uma tigela rasa grande e coloque a tigela de gelo por cima.





PRATOS PARA SERVIR

As possibilidades de escolha de pratos são muitas, mas há momentos em que apenas um tipo especifico pode se adequar a sua necessidade. Voce certamente ja tem os seus favoritos, mas aqui estão algumas outras alternativas para quando quiser experimentar algo diferente.
Esmaltado: Lembra o estilo dos anos 1950, mas é uma excelente maneira de acrescentar um traço de cor a sua apresentação. Uma borda preta fina ajuda a emoldurar os alimentos. Forre a travessa com papel manteiga e use-a para servir carnes assadas ou um saboroso carangueijo picante.

Estanho: Tem uma maravilhosa palidez rústica que combina muito bem com alimentos de cores fortes. Neste caso tambem é adequado usar papel manteiga para melhorar a aparencia e evitar a absorção de aroma metalico pela comida.

Pedra: é outra boa opção principalmente o marmore, a ardosia ou ceramica. Os pratos de pedra irão acrescentar mais cor e textura a sua apresentação. Eles ficam perfeitos como pano de fundo para alimentos de cores claras.

Muitos pratos são decorados e finalizados com flores comestiveis para dar sabor, aroma e colorido no prato, mas voce sabe quais utilizar e pra que???

FLORES COMESTIVEIS

No século XV as violetas e as capuchinhas eram consideradas ervas de salada e ainda são usadas para enriquecer saladas e aperitivos, acrescentando-lhes cor e sabor. Mas existem muitas outras que podem ser utilizadas na cozinha. As flores apresentadas a seguir são recomendadas para saladas e pratos de entrada. Use flores com moderação e lembre-se de que elas não são adequadas para aqueles que sofrem de alergias ou asma.

FLORES COMESTIVEIS PRATOS SALGADOS

Capuchinha Tropaeolum majus

Variando de vermelho tijolo ao amarelo, as petalas da capuchinha tem sabor picante agradavelmente forte.
Uso: A s cores radiantes vão incrementar o visual de um prato saboroso de salada verde. Elas tambem podem ser usadas para aromatizar manteiga, cream cheese e vinagres.





Calendula Asteraceae officinallis

Usada para dar cor ao prato, alem de brilho e sabor, embora não seja doce e lembre o aroma do lupulo na cerveja.
Uso: Use as petalas amarelas para substituir o açafrão e adicionar um sabor sutil a frutos do mar e sopas.






Bergamota Citrus bergamia

Uma planta perfumada para diversos usos, tanto as folhas como as petalas.
Uso.: Como a Capuchinha e a Calendula, suas petalas perfumadas fazem uma otima salada para acompanhar pratos salgados. Folhas de bergamota tambem podem ser desidratadas para o preparo de chás, como o Earl Grey.





Cravo frances Tagetes patula

Suas petalas tem um lindo tom de amarelo ouro e sabor citrico.
Uso: As petalas tem sabor citrico, use em sanduiches, saladas e sopas de frutos do mar, tambem ficam otimas em sobremesas quentes.





AMOR PERFEITO - VIOLA

Esta flor de jardim possui suave sabor que vai do doce ao acre. Tambem pode ser usada para decorar pratos doces tambem.
Uso: Semelhante as capuchinhas mas com sabor menos picante, suas petalas luminosas são ideais para incrementar o visual de saladas verdes.






AZEDINHA

Seu sabor marcante é perfeito para guarnecer pratos a base de carne.
Uso: A azedinha confere sabor de limão a saladas. As folhas bem picadas, combinadas com azeite, fazem um otimo molho citrico para acompanhar peixes.





TAGETES

Outra flor que fornece um toque citrico aos pratos.
Uso.: O toque de limão das petalas faz com que as tagetes sejam ideais para servir com frutos do mar.



ALECRIM

As flores delicadas do alecrim possuem sabor perfumado e menos intenso do que suas folhas.
Uso: Uma otima adição para pratos salgados, funciona bem com carnes vermelhas como a de cordeiro principalmente.





ESCOVINHA

Estas lindas flores azuis tem sabor forte parecido ao do cravo da india.
Uso: Ideal para pratos salgados que se beneficiam com este adorno radiante e ousado, mas utilize com moderação.





FLORES DE MANJERICÃO

As flores podem ser de coloração rosa pálido, branca ou lavanda. Elas tem o mesmo sabor das folhas, mas são muito mais suaves e podem as vezes ter um leve toque de limão ou menta.
Uso.: Desde que não estejam muito amargas, as flores de manjericão são otimas em saladas, sopas e massas ou como lindos enfeites para o prato.





FLORES COMSTIVEIS
PRATOS DOCES

Borragem

Esta flor azul brilhante, com filetes purpura tem o sabor agradavel e refrescante.
Uso: A borragem é um complemento perfumado para sobremesas de verão e é ideal para ser usada em recipientes feitos de gelo.





PRIMULA

Uma flor de sabor doce e com toque perfumado. Evite as primulas silvestres.
Uso: Ideal para o uso de decoração e de sobremesas ou para cristalizar, pois as petalas fornecem uma boa estrutura. A doçura da primula é empregada no preparo de vinho ou de molho, pode ser cristalizada e usadas em panquecas.






VIOLETA

As petalas doces são bastante perfumadas e funcionam bem quando cristalizadas. Amplamente usadas na decoração de pratos.
Uso: Podem ser cristalizadas para decorar sobremesas e coberturas delicadas ou misturadas a amendoas para os preparos de pudim de arroz. Tambem podem ser usadas como molhos doces para carnes como vitela ou em sopas.





CRAVO

Uma flor de jardim comum, que tem tons picantes.
Uso: Embora deva ser usada em pratos salgados, esta flor é otima para cristalizar. Seu sabor forte e picante lembra o do cravo da india. Perfeita para o preparo de geleias e picles agridoces.





ROSA SILVESTRE

Esta rosa possui perfume mais suave do que as rosas de jardim, seu sabor frutado vai enriquecer tanto os pratos com frutas como as bebidas de verão.
Uso: O sabor delicado pode fornecer tons adocicados a uma salada e é comumente usado para adoçar. Combina bem com coco, mel ou adicionado ao vinagre.





LAVANDA

Muito usada na decoração de bolos, pois suas flores azuis produzem lindos arranjos e tem um otimo aroma.
Uso: Para o preparo de açucar de lavanda para sobremesas. Tambem funciona bem como infusão para molhos e caldas.





CRAVINA

As petalas desta flor tem sabor citrico adocicado com tons de limão.
Uso: Boa para adocicar sorvetes, sorbets, saladas, saladas de frutas, caldas para sobremesas e até mesmo refogados.





PRIMAVERA

As folhas podem ser usadas como uma salada verde, embora as petalas brilhantes possuam sabor com tons adocicados, perfeito para pratos doces.
Uso: As petalas maiores são otimas para cristalizar ou misturar com chocolate. Tambem podem ser usadas no preparo de vinagrette doce.





CAPUCHINHA

Variando na cor de vermelho tijolo ao amarelo, as petalas da capucnhinha tem um sabor picante agradavelmente forte.
Uso: Podem ser usadas em pratos salgados, mas seu sabor picante tambem fica otimo em pratos doces, como um sorbet de maças, ou para combinar com queijos adocicados e macios.





BROTOS E FOLHAS COMESTIVEIS

BROTOS DE DENTE DE LEÃO

Com fortes tons picantes, os brotos de dente de leão fazem uma saborosa salada. Colha somente folhas jovens.
Uso: Picadas de modo grosseiro elas são otimas em saladas e combinam bem com um toque de alho.





ASPARGOS SILVESTRES

O sabor conhecido ganha um toque citrico extra nas especies silvestres.
Uso: Retire as pontas que crescem do talo, mas tome cuidado para não tirar a raiz. O sabor forte do aspargo é um bom acompanhamento para alimentos salgados.





FOLHAS DE FAVA

Frequentemente desprezadas, as folhas de fava são valiosas substitutas para a couve.
Uso: Um deleite maravilhoso para jardineiros ávidos, são otimas com risoto ou passadas na manteiga





BROTO DE ERVILHA

Este vegetal usado para saladas esta se tornando bastante popular.
Uso: Se cortados ainda jovens podem ser ingeridos ao natural como ingrediente substituto na salada. Os brotos possuem sabor levemente picante que combina bem com qualquer salada.





RAMOS DE FOLHAS DE URTIGA

Semelhantes no sabor, estes ramos são uma otima substituição para o espinafre. São tambem ricos em vitaminas.
Uso: Ramos novos possuem forte sabor de ferro que combina bem com alho poró, repolho e bacon.






RUCULA SELVAGEM

Seu sabor picante que lembra o de avelãs, enriquece a salada e é uma folhagem que esta disponivel o ano todo.
Uso: A rucula é otima sozinha, regada apenas com um molho para salada. Seu sabor picante é ideal para substituir o manjericão no preparo de pesto.





BROTOS DE PILRITEIRO

As folhas jovens possuem agradavel sabor de castanhas.
Uso: Estas folhas são otimas opções para a couve e acompanhamentos perfeitos para queijos fortes. Pique-as com azedinha e alho e use como tempero para carnes vermelhas. Tambem combinam muito bem com batatas.




ERVA DE PASSARINHO

Tem um sabor agradavel que lembra muito o alface.
Uso: Perfeita como parte de uma salada de inverno, esta erva tambem combina bem com o sabor picante do agrião, use como ornamento para pratos salgados.





RAMOS DE LUPULO

Ramos de lupulo possuem sabor forte e acre que combina bem com manteigas e ovos.
Uso: Na Itália os ramos de lupulo são populares na frittata. O sabor forte pode ser equilibrado pela suavidade de ovos ou manteiga, mas pode complementar queijos fortes e salgados.





A SEGUIR PRATOS MONTADOS DA MANEIRA SIMPLES
E DEPOIS DA MANEIRA CORRETA DE EQUILIBRIO

Salada verde com aspargos, presunto e parmesão







Tagliatelle com molho de tomate e mussarela de búfala


Bisteca suína com tomate assado e farofa


Frutas da estação




Sorvetes com farofa doce e biscoito



COMO MONTAR UM PRATO DE MASSAS LONGAS
TALHARIM, SPAGHETTI, LINGUINI




Enrole com um garfo de duas pontas uma boa quantidade de massa, sempre apoiado com uma colher.






Coloque no centro do prato ( fundo ), formando um ninho, lembre-se sempre ganhando altura para valorização do prato e do ponto focal inicial.





Arrume no centro do prato, após estar bem centralizado e com altura, finalize com o que desejar colocando do centro para a borda do prato, seja molho, nozes, bacon etc.

Nas figuras abaixo vamos ver alguns exemplos de disposições das massas na qual uma delas se usa o mesmo processo só que de vez na posição vertical a massa é montada na posição horizontal, ganhando em espaço no prato onde o forte neste caso é o ponto focal.














Abaixo a disposição horizontal do spaghetti





Técnica para fazer quenelles com purês ou geleias

Quenelle é uma técnica bastante usada atualmente pelos chefs para servir purês, sorvetes e sorbets. Originalmente era chamado quenelle um bolinho feito de carne, peixe, frango ou apenas de vegetais, ovo, gordura, arroz ou farinha no formato de uma bola de futebol americano.

Porém acabou se adotando o nome quenelle para a forma e esta técnica de fazer a quenelle se tornou bastante usada para servir alguns pratos..


 
 Tanto para se fazer a quenelle com uma ou duas colheres o ideal é usar água quente para molhar as colheres, pois irá facilitar na hora que modelar. Como é mostrado nas primeiras fotos, é bom também tirar um pouco o excesso da água da colher dando umas batidinhas. Outra dica também essencial é que ao fazer a quenelle com sorvete, tire-o do freezer uns 5 minutos antes de servir para ele dar uma amolecida.






Esta tecnica é utilizada tanto nos pratos salgados como em sobremesas.






TÉCNICA DE UTILIZAÇÃO DE BISNAGA
 Voce vai precisar de bisnagas e palitos de dentes e espeto de churrasco.

 
Na imagem acima é uma simples decoração onde o ponto focal será ao centro dos pingos feitos com a bisnaga, lembrando que sempre há uma forma equilibrada.

Já nas imagens abaixo mostramos a utilização das bisnagas em uma nova decoração, esta decoração alem de chamar a atenção do comensal faz o prato ficar elegante e chamativo.







Faça pontos com a primeira bisnaga deixando espaço entre eles para que caiba os outros pontos de outra cor da outra bisnaga. Lembre-se o tamanho deles tem de ser uniforme.

Com o uso do espeto de churrasco, faça um traço no centro de um dos pontos levando até o fim entre todos os pontos fechando o circulo todo.








O resultado é em formato de folhas se intercalando em cores formando um circulo no prato.
E no centro entre com a sobremesa ou o prato principal, lembre-se que tambem pode ser feito para pratos salgados utilizando, maionese, creme de leite, katchup e mostarda.

Esta técnica é bem parecida com a anterior onde muda somente o traço para a decoração.
Geralmente utilizada em sobremesas e em confeitaria para finalizar doces e bolos em suas coberturas.







TÉCNICA DE UTILIZAÇÃO DE COLHER E PINCEL










Alguns pratos decorados com a tecnica anterior.







UTILIZANDO ESBOÇOS PARA CRIAR UM PRATO

É interessante tambem antes de se criar um prato finalizado fazer um esboço em papel do que imagina. Levando em consideração ponto focal, equilibrio, cores, texturas etc. Vai ajudar muito pois através destes esboços montamos e avaliamos o prato finalizado mesmo antes de sua confecção.







Nas imagens anteriores vimos os esboços feitos de alguns pratos, a baixo podemos ver eles finalizados ja prontos nos pratos.






Outra dica e digamos regra, é fotografar os pratos finalizados para futuras fichas tecnicas onde depois qualquer pessoa vai poder seguir passo a passo econseguir finalizar o prato tendo assim um padrão sempre que pedido.





TÉCNICAS DE FINALIZAÇÃO COM AÇUCAR

Existem várias tecnicas de como utilizar o açucar para finalização de pratos, desde esculturas até uma simples farofa. Vamos mostrar algumas tecnicas simples que todos vão poder fazer em casa.




 Derreta o açucar em ponto de caramelo claro, em um papel manteiga faça desenhos ( arabescos ) e deixe secar, utilize eles em sobremesas diversas e sorvetes.


A proxima tecnica é um pouco mais dificil mas assim mesmo se torna fácil de se fazer quando faz corretamente. Esta tecnica da rede na concha é muito utilizada para sorvetes, e dá um toque de luxo ao prato confira.












Esta tecnica não é muito utilizada no Brasil mas em restaurantes da europa faz uma grande decoração no prato e chama a atenção dos clientes. A França é a criadora desta tecnica e se espalhando por Espanha e Itália. Confira e preste atenção pois fica muito diferente aos olhos dos comensais.
 



 Pegue uma sobremesa de sua preferencia e coloque no centro do prato.
Faça um caramelo escuro, deixe esfriar um pouco, coloque em um bowl, pegue um aro de confeitar com um diametro maior do que sua sobremesa, pois deve sobrar um espaço de um dedo entre a sobremesa e o aro. Com a ajuda de uma pinça molhe bem o fundo do aro no caramelo.






Coloque em volta da sobremsa como na figura, mantenha por cerca de 2 minutos e vá subindo o aro, note que fara uma tela de açucar ao redor da sobremesa, suba até a altura desejada e devagar para não quebrar o açucar
 




Depois com a ajuda de uma tesoura corte a tela de açucar e finalize sua sobremesa com frutas ou coulis, a seguir o final desta decoração incrivel com açucar..







TÉCNICA DE COMO SE UTILIZAR O TUILLE.









Para fazer as tuiles
Ingredientes:
250g de açúcar de confeiteiro
80g de farinha de amêndoas (amêndoas sem pele processadas)
60g de farinha de trigo
90g de manteiga derretida
90ml de suco de laranja fresco
40g de amêndoas picadas sem pele

Modo de preparo:
Em uma tigela, misture o açúcar de confeiteiro, a farinha de amêndoas e a farinha de trigo. Adicione a manteiga e o suco de laranja e continue mexendo bem. Por último, inclua amêndoas picadas, para dar textura à massa.

Se puder, deixe que a massa descanse na geladeira por duas horas, antes de usar.

Para assar as tuiles, use um tapete de silicone. Se não tiver, escolha uma boa forma antiaderente ou forre sua assadeira com papel manteiga.

Coloque colheradas espaçadas da massa sobre o tapete de silicone e leve ao forno, a 180°C, por 20 minutos ou até que as tuiles fiquem coradas.

Ao retirar do forno, você vai observar que elas ainda estarão moles. Deixe que esfriem um pouco, apenas o suficiente para que possa manuseá-las. Se deixar esfriar muito, a massa ficará quebradiça. Neste caso, leve novamente ao forno para amolecer.

Dobre ligeiramente as massas assadas para que fiquem com a forma de uma tuile ou "telha" (significado da palavra francesa). Reserve.



TÉCNICA DE DECORAÇÃO COM CHOCOLATE

Arabescos de Chocolate











MENDIANTS


Essas medalhas de chocolates alem de deliciosas tem um apelo visual muito bacana, simples de se fazer, quando fizer as medalhas de chocolate coloque as frutas e deixe secar.







Desenhando com chocolate

Faça um cone de papel e coloque o chocolate ja temperado. Siga os passos das imagens a seguir. Tem um apelo visual muito interessante para sobremesas e bolos.




TÉCNICA DE DECORAÇÃO COM CHOCOLATE

Esta tecnica é mais utilizada para decoração de bolos, mas não quer dizer que não possa ser utilizada em sobremesas, pois tem um apelo visual muito interessante.





Bem, amigos e amigas e fãs do Blog Alquimia da Cozinha, espero ter ajudado a todos que pediram uma publicação sobre FINALIZAÇÃO E TECNICAS de pratos, pois as informações são poucas, espero que gostem e que curtam bastante.




FONTE: Sites de gastronomia, peço por gentileza se alguma materia ou fotos forem dos autores que entre em contato para os devidos creditos pois este material faz muito tempo que esta feito e não me lembro de onde tomei nota ok.
Livro: Segredos da Apresentação de Pratos